"Isso é o que se chama ter 45 anos" Sofia Vergara responde a críticas no Twitter

No Instagram, a atriz respondeu às criticas ao físico e ao vestido utilizado na 69ª edição dos Emmy

A atriz colombiana Sofia Vergara, que dá vida a Gloria Delgado-Pritchett na série Uma Família Muito Moderna, foi uma das estrelas mais fotografadas na passadeira vermelha da 69ª edição dos Emmy, no domingo.

Vergara levava um vestido justo branco, de estilo sereia, que lhe evidenciava as curvas e mostrava as costas. Mas a indumentária não agradou a alguns seguidores da atriz no Instagram, que criticaram o vestido e o físico de Sofia Vergara na fotografia que a própria partilhou no Instagram, acompanhada pelo filho Manolo Gonzalez Vergara na passadeira vermelha.

"Um pouco flácida a pele na parte das costas, e o vestido não ajuda", escreveu um internauta. E levou resposta: "Isso é o que se chama ter 45 anos", publicou a atriz. "Perfeito. O importante é a personalidade e aceitar os anos", respondeu o mesmo seguidor.

Segundo o El País, a resposta de Vergara não só foi elogiada pelos admiradores como fez com que o comentário com a crítica fosse eliminado da rede social.

A atriz de 45 anos natural de Barranquilha, Colômbia, é, de acordo com a revista Forbes, a mais bem paga da televisão, com um lucro de 43 milhões de euros anuais, devido ao papel que desempenha na série de comédia norte-americana.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".