Irina Shayk provocadora em "topless"

A manequim russa Irina Shayk partilhou uma imagem provocadora em "topless" que está a incendiar as redes sociais.

A manequim russa partilhou uma ousada e provocadora fotografia, de uma antiga sessão fotográfica que protagonizou, que está a incendiar as redes sociais. Na imagem em questão, Irina Shayk surge em topless, apenas com a parte de baixo de um biquíni branco e com uma das mãos a tapar os seios.

"A apanhar um pouco de sol", lê-se na legenda da fotografia que já soma mais de 150 mil "gosto" no Facebook e mais de 200 mil no Instagram.

A manequim de 30 anos mantém um namoro há mais de um ano com o ator Bradley Cooper, de 41 anos. Ao contrário do que aconteceu nos primeiros tempos, o casal já não esconde a relação em público.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.