Irina Shayk e Bradley Cooper: discussão em público?

No dia em que assumiram publicamente o namoro, a manequim Irina Shayk e o ator Bradley Cooper foram apanhados pelas câmaras a ter o que, aparentemente, seria um discussão

Os torneios de ténis têm o poder de atrair dezenas de celebridades para as suas bancadas. De Wimbledon, o mais antigo e prestigiado da modalidade, não se poderia esperar efeito diferente. Entre algumas caras conhecidas estavam o casal Bradley Cooper e Irina Shayk, ex-namorada do jogador português, Cristiano Ronaldo.

Dentro de campo disputava-se a final de Wimbledon entre o canadiano, Milos Raonic, e o escocês Andrew Murray, que acabou por fazer jus ao favoritismo e derrotar Raonic por três 'sets' a zero, nas parciais de 6/4, 7/6 (3) e 7/6 (2). Isto é o que os fãs de ténis sabem, mas o resultado da partida não é o que mais tem encantado os media sociais. Durante o decorrer do encontro, o ator Bradley Cooper e a modelo Irina Shayk foram apanhados pelas câmaras naquilo que, aparentemente, se poderia chamar um arrufo de namorados. Nas imagens, a expressão de Cooper denuncia uma frase típica do inicio de uma discussão: "o que é que eu fiz agora?".

O momento tem cumprido as delicias da especulação e na linha da frente dos motivos do desentendimento estará a ex-namorada de Bradley Cooper, a modelo Suki Waterhouse. A dar reforço às especulações está a própria Irina Shayk, já que no vídeo é possível ver a modelo a limpar o olho, um gesto de quem se prepara para contar uma lágrima.

Ninguém parece saber ao certo o que se terá passado, mas uma fonte próxima garantiu ao E! News que "eles não estavam a discutir. Está tudo bem". A mesma fonte avançou ainda que o relacionamento está a entrar num campo "mais sério" e Irina já pensa mesmo em "ter filhos nos próximos anos." O futuro o dirá. Para a história fica o bicampeão de Wimbledon, Andrew Murray.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.