Irina Shayk "dava o braço esquerdo" para ter sido um rapaz

A manequim russa revelou que na adolescência se achava feia e desejava ter nascido com o sexo oposto

Os atributos físicos de Irina Shayk fazem desta manequim russa um dos rostos (e corpos) mais procurados para as campanhas de moda. Aos 30 anos, a top model não para de somar trabalhos, quer sejam desfiles ou produções fotográficas, mas nem sempre foi assim.

Houve uma altura da sua vida em que a ex-namorada de Cristiano Ronaldo achou que jamais seria desejada por algum homem. "Nasci e fui criada numa terra pequena e nunca achei que fosse bonita", começou por explicar.

A falta de autoestima da manequim russa era tão grande que chegou mesmo a desejar não ter nascido do sexo feminino. "Quando tinha 14 anos era capaz de dar o meu braço esquerdo para ser um rapaz. Achava-me horrível e pensava que nunca me iriam achar atraente", realçou.

Na sequência desta revelação, Irina Shayk foi questionada sobre uma eventual atração pelo sexo feminino. A manequim russa foi perentória. "Nem pensar. Sou russa. Gosto de homens, diamantes e caviar", disse, bem-humorada.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.