Igreja de Estocolmo toca "Wake me up" em homenagem a Avicii

O primeiro-ministro da Suécia considerou o artista como "um dos maiores músicos da Suécia nos tempos modernos"

Os sinos de uma igreja em Estocolmo, na Suécia, tocaram o êxito "Wake me up", em homenagem ao produtor e DJ Avicii, que foi encontrado morto na sexta-feira. A música foi entoada do alto de uma torre de 80 metros na Oscar's Church, no centro de Estocolmo, cidade onde o artista cresceu.

Avicii, cujo nome verdadeiro era Tim Bergling, morreu aos 28 anos em Mascate, Omã, e até ao momento ainda não é conhecida a causa da morte.

Os sinos da igreja sueca vão tocar "Wake me up" ao meio-dia, até à próxima sexta-feira, segundo o website oficial da igreja. Um igreja em Utrecht também fez o mesmo.

Avicii, que ficou conhecido por êxitos como "Hey Brother" e "Waiting for love", anunciou em 2016 a sua despedida dos palcos, mas continuou a produzir músicas, e na última semana foi nomeado para os Billboard Music Awards.

Na segunda-feira, a família do artista mostrou-se agradecida pelos tributos feitos ao artista, mas não quis comentar detalhes sobre a sua morte inesperada.

Numa mensagem publicada na rede social Instagram, Stefan Lovfen, o primeiro-ministro sueco, considerou Avicii como "um dos maiores músicos da Suécia nos tempos modernos"

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.