Harvey Weinstein entrega-se à polícia em Nova Iorque 

Weinstein enfrenta acusações relativas a agressões sexuais

O produtor Harvey Weinstein entregou-se esta sexta-feira em esquadra de Nova Iorque, em Manhattan. Nos últimos meses, Weinstein foi acusado de assédio e crimes sexuais por mais de 70 mulheres, com relatos que se estendem ao longo de décadas. Hoje foi indiciado por violação e abuso sexual de duas mulheres.

Segundo a CNN, o produtor é acusado de ter violado uma das vítimas e de ter forçado a outra a fazer-lhe sexo oral. Weinstein deverá ser ouvido em tribunal ainda hoje, ao final do dia.

Weinstein enfrenta acusações relativas a agressões sexuais de pelo menos uma mulher, Lucia Evans, segundo disseram fontes da polícia nova-iorquina ao The New York Times.

Foram as denúncias de várias atrizes contra o produtor de Hollywood, um dos homens mais poderosos do cinema, agora caído em desgraça, que deram origem ao movimento #metoo.

Weinstein chegou à esquadra por volta das 7.25 (12.25 na hora de Lisboa), onde era esperado por dezenas de jornalistas. Embora tenha assumido que teve comportamentos inapropriados, Weinstein negou sempre ter violado alguém.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.