Harvey Weinstein entrega-se à polícia em Nova Iorque 

Weinstein enfrenta acusações relativas a agressões sexuais

O produtor Harvey Weinstein entregou-se esta sexta-feira em esquadra de Nova Iorque, em Manhattan. Nos últimos meses, Weinstein foi acusado de assédio e crimes sexuais por mais de 70 mulheres, com relatos que se estendem ao longo de décadas. Hoje foi indiciado por violação e abuso sexual de duas mulheres.

Segundo a CNN, o produtor é acusado de ter violado uma das vítimas e de ter forçado a outra a fazer-lhe sexo oral. Weinstein deverá ser ouvido em tribunal ainda hoje, ao final do dia.

Weinstein enfrenta acusações relativas a agressões sexuais de pelo menos uma mulher, Lucia Evans, segundo disseram fontes da polícia nova-iorquina ao The New York Times.

Foram as denúncias de várias atrizes contra o produtor de Hollywood, um dos homens mais poderosos do cinema, agora caído em desgraça, que deram origem ao movimento #metoo.

Weinstein chegou à esquadra por volta das 7.25 (12.25 na hora de Lisboa), onde era esperado por dezenas de jornalistas. Embora tenha assumido que teve comportamentos inapropriados, Weinstein negou sempre ter violado alguém.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.