Harvey Weinstein apresenta-se sexta-feira às autoridades nova-iorquinas

O produtor está ainda a ser investigado Londres e Los Angeles

O produtor cinematográfico norte-americano Harvey Weinstein, acusado de agressões sexuais por dezenas de mulheres, vai apresentar-se na sexta-feira às autoridades judiciais nova-iorquinas, noticiou a imprensa norte-americana.

As primeiras acusações de agressões sexuais e violações contra o todo-poderoso produtor de 66 anos surgiram em outubro de 2017, no âmbito do movimento #MeToo, em Hollywood, que levou as suas vítimas a identificarem-se e a divulgarem publicamente os abusos de que tinham sido alvo.

O advogado de Weinstein, Ben Brafman, inquirido sobre as circunstâncias desta apresentação do seu cliente às autoridades, escusou-se a emitir qualquer comentário.

Segundo o jornal New York Daily News, Weinstein -- que desapareceu do olhar público a partir das primeiras revelações que o envolviam e estava supostamente a receber tratamento para viciados em sexo no Estado do Arizona -- poderá ser na sexta-feira formalmente acusado de pelo menos um crime sexual, que remonta a 2004.

Trata-se da queixa apresentada por Lucia Evans, uma atriz estreante na altura, que afirma que o produtor a forçou a fazer-lhe sexo oral.

Em novembro, a polícia nova-iorquina indicou ter "um verdadeiro caso" contra Harvey Weinstein, que também está a ser alvo de investigação em Los Angeles e Londres.

Na sexta-feira, a confirmar-se a acusação formal, será a primeira contra o multimilionário caído em desgraça.

No total, mais de uma centena de mulheres testemunhou que o produtor de Hollywood tinha abusado sexualmente delas, um escândalo que desencadeou a campanha #Time'sUp, que levou à queda de centenas de homens em lugares de poder de numerosos setores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.