"Gosto de ser noiva". Diana Chaves sem pressa para casar

A atriz e apresentadora Diana Chaves revelou que não tem pressa para se casar, admitindo que gosta "de ser noiva". Diana e César Peixoto estão noivos há quase dois anos e têm uma filha, Pilar, de quatro anos

Diana Chaves já aceitou o pedido de casamento de César Peixoto há quase dois anos mas não tem qualquer pressa para a realização da cerimónia. A cara da SIC revelou, até, que ser noiva é algo que aprecia.

"Não sei [se é este verão que se realiza o casamento], mas eu aviso se for. Ele já fez o pedido, eu é que gosto de ser noiva", disse a apresentadora e atriz à nossa publicação, à margem de uma festa de lançamento de uma marca de saúde oral num hotel lisboeta.

César Peixoto e Diana Chaves

A relação do casal dura há oito anos e, juntos, Diana e o futebolista têm uma filha, Pilar, de quatro anos. Mas Diana Chaves admite que o noivado não deve ser curto mas sim um momento para desfrutar, não havendo ainda data marcada para o casamento.

"Para já, ainda não há data. Quando duas pessoas estão juntas há 8 ou 9 anos... eu pelo menos penso assim: agora quero estar noiva durante algum tempo, não quero estar noiva durante três meses. Quero aproveitar, acho giro", contou Diana, de 34 anos.

Atriz de Coração d'Ouro (SIC) com a personagem Jéssica Silva, Diana Chaves falou ainda sobre o seu futuro profissional, contanto que, para além da novela não tem qualquer projeto pendente.

"A nível da representação e apresentação, para já ainda não tenho nada. Sendo exclusiva da SIC, a acontecer alguma coisa, obviamente será lá. Ainda vou estar no ar até setembro, talvez. Mas não quero que enjoem de mim [risos]", concluiu.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.