"Glamour" da realeza aqueceu noite fria em Guimarães

Os reis de Espanha foram os convidados de honra do jantar oferecido pelo presidente da República no Paço dos Duques de Bragança, em Guimarães. Presença de Sara Carbonero e Iker Casillas foi a mais comentada

Felipe e Letizia sorriem em solo português como já não o fazem há muito no país vizinho. A atitude descontraída e bem-disposta dos reis na sua visita oficial a Portugal contrasta com os rostos fechados (sobretudo da rainha) nos últimos atos oficiais em Espanha.

A família real espanhola não vive momentos benfazejos do outro lado da fronteira: o clima de contestação, a instabilidade política, os movimentos republicanos, fazem com que os reis Felipe VI e Letizia vejam em receções calorosas como a que tiveram ontem, no Porto e em Guimarães, raros momentos de apreço público... aos quais correspondem, com as aproximações à multidão, os apertos de mão, os sorrisos, algo que vai rareando no seu próprio país.

Sara Carbonero cumprimenta rainha Letizia

Guimarães vestiu-se de gala para receber os reis espanhóis e, no Paço dos Duques de Bragança, com Marcelo Rebelo de Sousa como anfitrião, deu-se um aguardado (re)encontro: o de Letizia, jornalista tornada rainha, com Sara Carbonero, jornalista tornada blogger/figura pública/mulher de Iker Casillas.

Foram, sem margem para dúvidas, as mais elegantes do jantar, que contou com 150 convidados: a rainha com um vestido preto comprido, rendado, Carolina Herrera (cujo preço ronda os 5000 euros), modelo já usado num jantar de gala em Madrid, em 2014; a mulher de Iker Casillas com um vestido com top preto com transparências e saia branca com flores negras, da criadora espanhola (e sua amiga) Vicky Martín Berrocal.

O jantar foi composto por especialidades lusas: consomê de presunto de Barrancos em juliana, com cogumelos e cebolinho, tornedó de pescada com aveludado de cebola e alho francês e, para a sobremesesa, pudim abade de Priscos. A refeição foi acompanhada por vinho Madeira Barbeito, Niepoort Rótulo 2015 (Dão), Vallado reserva 2014 (Douro) e Porto Casa Amarela 10 anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.