Funeral será privado

As cerimónias fúnebres do cantor britânico serão apenas para a família e amigos íntimos, estando vedado o acesso aos fãs

Conhecida a causa de morte de George Michael, no início desta semana, o corpo do cantor, que morreu no dia 25 de dezembro do ano passado, já poderá ser entregue à família para que se realize a cerimónia fúnebre. No entanto, ao contrário do que os fãs esperam, esta será privada.

O jornal "The Daily Star" falou com um representante da família, que recusou comentar "assuntos privados" quando questionado sobre a data do serviço fúnebre. A mesma publicação falou ainda com responsáveis do cemitério de St. James, em Londres, onde estão depositados os restos mortais da mãe do artista, que respondeu "não haver informações" para dar.

As causas da morte de George Michael foram divulgadas pelo médico legista responsável pela autópsia, que concluiu que o cantor foi vítima de uma "cardiomiopatia dilatada com miocardite e fígado gordo". O relatório final assinado por Darren Salter surgiu após as autoridades terem pedido mais exames, depois de uma primeira avaliação considerada "inconclusiva". "A investigação à morte de George Michael foi concluída e o resultado final da autópsia confirma a morte por causas naturais. Como há uma causa natural confirmada para a morte, a investigação vai ser interrompida e não há necessidade de mais inquéritos", disse Salter.

George Michael tinha 53 anos e foi encontrado sem vida na sua casa em Oxfordshire, em Inglaterra.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.