Fãs reclamaram e o Madame Tussauds teve de retocar a figura de cera de Beyoncé

Rosto da cantora não estava fiel ao original, mas as principais críticas foram dirigidas à cor da pele

O Museu Madame Tussauds de Nova Iorque viu-se obrigado a retirar e retocar a figura de cera de Beyoncé, depois de os fãs reclamarem que a estátua tinha poucas parecenças com a cantora e criticarem sobretudo a cor da pele, visivelmente mais clara do que a de Beyoncé.

Segundo o The New York Times, a figura desapareceu da exposição na quinta-feira, perante a fúria dos fãs que foi expressa sobretudo nas redes sociais.

Em comunicado enviado ao New York Times, o Madame Tussauds explicou que foi ajustada a apresentação e iluminação da figura de cera, cujo rosto também não parecia muito fiel ao de Beyoncé: houve mesmo quem apontasse parecenças da estátua com Mariah Carey, Britney Spears ou Lindsay Lohan, pedindo ao museu para "tentar outra vez".

À BBC, o museu nova-iorquino explicou que a "talentosa equipa de escultores" se esforça para assegurar que a cor das esculturas coincide com a da celebridade a ser retratada. "A iluminação da figura, combinada com os flashes das fotografias, pode distorcer e representar de forma errada a cor das nossas figuras de cera, que é algo que os nossos escultores não conseguem controlar na fase de produção", concluiu o comunicado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?