Fãs reclamaram e o Madame Tussauds teve de retocar a figura de cera de Beyoncé

Rosto da cantora não estava fiel ao original, mas as principais críticas foram dirigidas à cor da pele

O Museu Madame Tussauds de Nova Iorque viu-se obrigado a retirar e retocar a figura de cera de Beyoncé, depois de os fãs reclamarem que a estátua tinha poucas parecenças com a cantora e criticarem sobretudo a cor da pele, visivelmente mais clara do que a de Beyoncé.

Segundo o The New York Times, a figura desapareceu da exposição na quinta-feira, perante a fúria dos fãs que foi expressa sobretudo nas redes sociais.

Em comunicado enviado ao New York Times, o Madame Tussauds explicou que foi ajustada a apresentação e iluminação da figura de cera, cujo rosto também não parecia muito fiel ao de Beyoncé: houve mesmo quem apontasse parecenças da estátua com Mariah Carey, Britney Spears ou Lindsay Lohan, pedindo ao museu para "tentar outra vez".

À BBC, o museu nova-iorquino explicou que a "talentosa equipa de escultores" se esforça para assegurar que a cor das esculturas coincide com a da celebridade a ser retratada. "A iluminação da figura, combinada com os flashes das fotografias, pode distorcer e representar de forma errada a cor das nossas figuras de cera, que é algo que os nossos escultores não conseguem controlar na fase de produção", concluiu o comunicado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.