Família dá os parabéns a CR7 no 32.º aniversário do craque

A mãe e as irmãs de Cristiano Ronaldo publicaram nas redes sociais mensagens de parabéns e elogios a CR7, este domingo, dia em que o internacional celebra 32 anos

A família de Cristiano Ronaldo tem deixado mensagens de parabéns e carinho ao internacional português este domingo, dia em que CR7 celebra o 32.º aniversário.

A matriarca do clã Aveiro, Dolores, partilhou uma imagem ao lado do filho e um vídeo com várias fotografias ao longo da vida de Ronaldo. "Parabéns filho pelas tuas 32 primaveras, que tenhas um dia muito feliz", frisou a mãe de Cristiano.

Katia Aveiro também usou o Instagram para elogiar e parabenizar o irmão. "És uma força da natureza. [...] A gente já chorou, a gente já sofreu, a gente já se emocionou tanto por ti. Tu és o nosso pequeno grande herói. Amas os teus, proteges, defendes, cuidas", revelou a cantora. "Ontem eras um miúdo franzino cheio de sonhos. Hoje fazes sonhar", adiantou Katia Aveiro.

Também Elma Aveiro deixou uma mensagem ao irmão mais novo nas redes sociais. "Hoje nasceu a estrela mais brilhante do mundo. Que Deus ilumine sempre o teu caminho. Desejo tudo o que há de melhor neste mundo, porque tu és o que de melhor há neste mundo", escreveu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Tempo de fugir de casa para regressar à terra

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.