Ex-Miss Universo queixa-se: "Trump chamava-me 'Miss Piggy'"

Alicia Machado acusa Donald Trump de a ter maltratado, pois humilhava-a constantemente e gozava com o seu peso e sotaque. "Ele não é uma boa pessoa"

A ex-Miss Universo Alicia Machado acusa Donald Trump de a ter a ter maltratado, pois gozava com ela "a todo o momento" e humilhava-a publicamente. Alicia foi eleita Miss Universo em 1996, com 19 anos, e na altura, o concurso de beleza pertencia a Donald Trump. Pouco tempo depois do concurso ganhou peso, cerca de 20 quilos, o que foi motivo para Trump começar a chamá-la de "Miss Piggy" e "Miss Housekeeper" (miss empregada, em português).

Numa entrevista ao Inside Edition, a venezuelana contou como era a sua relação com Donald Trump e acusou-o de ter afetado gravemente a sua autoestima.

Em entrevistas, Donald Trump chamava Alicia Machado de "máquina de comer". Em privado, gozava com o seu sotaque e chamava-a de miss empregada, uma referência às mulheres latinas que trabalham nos Estados Unidos como empregadas domésticas. "Ele não é uma boa pessoa", afirmou Alicia.

A história foi contada pela primeira vez pelo The New York Times. O jornal norte-americano fez um trabalho de investigação para analisar as relações privadas entre o candidato republicano à Casa Branca e as mulheres. O dossiê tem como objetivo perceber se as frequentes acusações de sexismo de que Trump é vítima têm fundamento e conta com testemunhos de várias mulheres que conviveram com o candidato. Alicia é uma dessas mulheres e descreve encontros muito pouco agradáveis com o empresário.

Para Alicia, o ponto mais alto da humilhação foi quando Donald Trump levou a modelo a Nova Iorque e a obrigou a ir ao ginásio do hotel onde estava hospedada. Sem o conhecimento da jovem, Trump tinha convocado uma conferência de imprensa e obrigou Alicia a treinar em frente às câmaras de dezenas de meios de comunicação, para mostrar que a miss voltaria a recuperar a forma.

"Eu estava prestes a chorar. Eu disse-lhe 'não quero fazer isto, Sr. Trump', e ele disse 'Não quero saber", contou a ex-miss universo.

"Ela pesava cerca de 53 quilos e agora pesa entre 72 e 77 quilos, então obviamente ela gosta de comer", disse Trump, no mesmo dia, aos jornais.

"Depois desse episódio, eu fiquei doente, com anorexia e bulimia durante cinco anos", afirmou Alicia, que é agora atriz. Alicia passou "os últimos 20 anos em psicólogos para combater a doença".

Trump admitiu que pressionou a jovem a emagrecer, sem mostrar remorsos pela forma como o fez, e disse, na conferência de imprensa, que faria o mesmo com a mulher se ela engordasse.

Quando o jornalista do Inside Edition perguntou a Alicia Machado, que se vai tornar uma cidadã americana em breve, se vai votar em Donald Trump, a ex-miss riu-se, mas não respondeu.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.