Estrelas juntas para celebrar Emmy de 'Meu Amor'

José Carlos Pereira fez a sua primeira aparição pública depois de ter saído da clínica de desintoxicação onde esteve dois meses

"Valeu a pena. Valeu a pena ouvir quem, há anos, nos chamou utópicos e loucos quando acreditámos numa indústria de audiovisual para Portugal. E a prova de que tudo valeu a pena está aqui, neste Emmy". Foi com palavras de elogio e emoção que o actor Nicolau Breyner felicitou a estação televisiva TVI e o elenco da novela Meu Amor pela conquista do Emmy Internacional.

Pioneiro na criação da indústria de ficção televisiva em Portugal - foi fundador da produtora NBP - Nicolau Breyner, de 70 anos, foi protagonista de um dos momentos mais emotivos da noite.

No Alcântara Café, em Lisboa, Alexandra Lencastre, Margarida Marinho, Paulo Pires, Lídia Franco e outras estrelas da estação de Queluz de Baixo aplaudiram de pé o actor que interpretou Caetano Vargas na novela premiada.

Uma das protagonistas da trama, a actriz Margarida Marinho, recordou o dia da cerimónia em Nova Iorque: "Fomos muito elogiados. E lembro-me de a actriz brasileira Lília Cabral me dizer: 'Uma nomeação já é uma vitória.'."

Já António Barreira, autor do argumento, vincou que o Emmy vem dar "luz verde" para lutar por mais meios. "Este prémio foi uma grande conquista com um alcance internacional. É tempo para reivindicar tudo o que é exigível. Dentro dos limites do que se pode dar. Arranque-se com a cidade cinematográfica que, a meu ver, está presa por politiquices", afirmou o argumentista ao DN.

André Cerqueira, antigo director de Programas da TVI e director geral da Plural Entertainment, expressou críticas: "Este Emmy é a prova de que não precisamos de copiar ninguém, podemos por nós próprios ser os melhores do mundo."

A noite de festa ficou ainda marcada pela primeira aparição pública de José Carlos Pereira, actor que tem um contrato de exclusividade com a TVI. "Estava com saudades de tudo. Estou cheio de força e vontade de trabalhar", disse o actor, de 32 anos, que esteve dois meses internado numa clínica de desintoxicação e, por isso, afastado do ecrã. "Agora é começar em força, trabalhar e ver se ganhamos mais um Emmy", rematou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.