Emma Watson responde: "Disseram que não posso ser feminista e ter mamas"

Atriz respondeu às pessoas que a acusam de ser hipócrita por ter posado para a Vanity Fair

Emma Watson respondeu às críticas e acusações de hipocrisia de que tem sido alvo desde que posou para a revista Vanity Fair. A atriz foi acusada de trair os ideais do feminismo e afirmou este fim de semana que "o feminismo não é um pau que se usa para bater em outras mulheres".

"Revela sempre quantos equívocos e quantos mal-entendidos existem sobre o que é o feminismo", disse Emma numa entrevista à BBC, admitindo ainda que ficou "confusa" e "espantada" por toda a situação.

"Feminismo é sobre dar às mulheres a opção de escolherem. Feminismo não é um pau que se usa para bater em outras mulheres. É sobre liberdade, libertação, igualdade", explicou Emma Watson, de 26 anos. "Não percebo o que as minhas mamas têm a ver com isso".

Durante a entrevista em que fazia promoção do filme A Bela e o Monstro, que estreia este mês em Portugal, a protagonista resumiu ainda ao colega Dan Stevens o que se passava. "Estavam a dizer que não posso ser feminista e ter mamas".

A imagem de Emma Watson na Vanity Fair com um traje que mostrava parte do peito tem sido muito criticada nos últimos dias. Nas redes sociais vários utilizadores chamaram Watson, que também é embaixadora da boa vontade das Nações Unidas, de hipócrita por criticar quem objetifica e sexualiza as mulheres e depois fazer o mesmo.

"Feminismo, feminismo... desigualdade salarial entre homens e mulheres... porque não sou levada a sério... feminismo...oh, e aqui estão as minhas mamas!", publicou no Twitter a apresentadora de rádio Julia Hartley-Brewer. Esta publicação recebeu milhares de gostos e intensificou o debate nas redes sociais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.