Emma Watson responde: "Disseram que não posso ser feminista e ter mamas"

Atriz respondeu às pessoas que a acusam de ser hipócrita por ter posado para a Vanity Fair

Emma Watson respondeu às críticas e acusações de hipocrisia de que tem sido alvo desde que posou para a revista Vanity Fair. A atriz foi acusada de trair os ideais do feminismo e afirmou este fim de semana que "o feminismo não é um pau que se usa para bater em outras mulheres".

"Revela sempre quantos equívocos e quantos mal-entendidos existem sobre o que é o feminismo", disse Emma numa entrevista à BBC, admitindo ainda que ficou "confusa" e "espantada" por toda a situação.

"Feminismo é sobre dar às mulheres a opção de escolherem. Feminismo não é um pau que se usa para bater em outras mulheres. É sobre liberdade, libertação, igualdade", explicou Emma Watson, de 26 anos. "Não percebo o que as minhas mamas têm a ver com isso".

Durante a entrevista em que fazia promoção do filme A Bela e o Monstro, que estreia este mês em Portugal, a protagonista resumiu ainda ao colega Dan Stevens o que se passava. "Estavam a dizer que não posso ser feminista e ter mamas".

A imagem de Emma Watson na Vanity Fair com um traje que mostrava parte do peito tem sido muito criticada nos últimos dias. Nas redes sociais vários utilizadores chamaram Watson, que também é embaixadora da boa vontade das Nações Unidas, de hipócrita por criticar quem objetifica e sexualiza as mulheres e depois fazer o mesmo.

"Feminismo, feminismo... desigualdade salarial entre homens e mulheres... porque não sou levada a sério... feminismo...oh, e aqui estão as minhas mamas!", publicou no Twitter a apresentadora de rádio Julia Hartley-Brewer. Esta publicação recebeu milhares de gostos e intensificou o debate nas redes sociais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.