Elton John apela ao boicote à roupa de Dolce e Gabbana

Músico britânico não gostou das declarações dos estilistas que chamaram de "sintéticas" crianças concebidas através do método de fertilização in vitro.

"Nunca mais vou usar Dolce e Gabbana", escreveu Elton John no seu Instragram, acompanhando com a hashtag #BoycottDolceGabbana. O músico considera vergonhosas as declarações dos estilistas a uma revista, nas quais defendem as famílias tradicionais, rejeitando pais do mesmo sexo, e chamando as crianças concebidas através de fertilização in vitro "sintéticas".

Elton John é casado com David Furnish e tem dois filhos. "Como se atrevem a referirem-se às minhas lindas crianças como 'sintéticas'", continuou o cantor, salientando que a fertilização in vitro é "um milagre que permitiu legiões de pessoas, heterossexuais ou homossexuais, de concretizarem o sonho de ter filhos". Disse ainda que Dolce e Gabbana têm um "pensamento arcaico".

A BBC cita a entrevista à revista Panorama dos estilistas. Domenico Dolce e Stefano Gabbana são homossexuais e até foram um casal durante 23 anos. Porém, são contra o casamento gay. "A única família é a tradicional", disseram. Quanto à fertilização in vitro: "A vida tem um curso natural, há coisas que não devem ser alteradas." Domenico Dolce defendeu que "nascemos para uma mãe e um pai". "Pelo menos é assim que deve ser", afirmou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.