Elton John apela ao boicote à roupa de Dolce e Gabbana

Músico britânico não gostou das declarações dos estilistas que chamaram de "sintéticas" crianças concebidas através do método de fertilização in vitro.

"Nunca mais vou usar Dolce e Gabbana", escreveu Elton John no seu Instragram, acompanhando com a hashtag #BoycottDolceGabbana. O músico considera vergonhosas as declarações dos estilistas a uma revista, nas quais defendem as famílias tradicionais, rejeitando pais do mesmo sexo, e chamando as crianças concebidas através de fertilização in vitro "sintéticas".

Elton John é casado com David Furnish e tem dois filhos. "Como se atrevem a referirem-se às minhas lindas crianças como 'sintéticas'", continuou o cantor, salientando que a fertilização in vitro é "um milagre que permitiu legiões de pessoas, heterossexuais ou homossexuais, de concretizarem o sonho de ter filhos". Disse ainda que Dolce e Gabbana têm um "pensamento arcaico".

A BBC cita a entrevista à revista Panorama dos estilistas. Domenico Dolce e Stefano Gabbana são homossexuais e até foram um casal durante 23 anos. Porém, são contra o casamento gay. "A única família é a tradicional", disseram. Quanto à fertilização in vitro: "A vida tem um curso natural, há coisas que não devem ser alteradas." Domenico Dolce defendeu que "nascemos para uma mãe e um pai". "Pelo menos é assim que deve ser", afirmou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.