"El Mundo" destaca relação próxima de Guterres e Angelina Jolie

O jornal espanhol publicou um artigo sobre a "estreita relação de quase uma década" de António Guterres, o novo secretário-geral da ONU, e a famosa atriz

"Portugal continua em alta. Depois de se sagrar campeão da Europa de futebol, vê um dos seus ex-primeiros-ministros alcançar a secretaria-geral da ONU", começa por realçar o El Mundo, num artigo publicado esta segunda-feira. A grande vantagem de António Guterres, continua a publicação espanhola, foi o facto de ter sido o único candidato a desfrutar do "apoio público e notório de uma das mulheres mais famosas do mundo: Angelina Jolie".

A atriz e embaixadora da Boa Vontade das Nações Unidas desde 2001 tem uma relação "de quase uma década com o político português". Trabalharam lado a lado em várias iniciativas relacionadas com a crise dos refugiados - desde 2005 que Guterres exercia o cargo de Alto-comissário da ONU para os Refugiados - e chegaram a visitar, juntos, vários campos.

"Este interesse comum por ajudar os outros, por dar voz a quem mais precisa, deu lugar não só a uma estreita colaboração, mas a uma amizade e admiração mútua. Uma união perfeita que deu frutos", resume o conceituado jornal.

Numa entrevista concedida à SIC em janeiro último, a atriz norte-americana dava provas dessa proximidade com o novo líder da ONU. "Tenho um enorme respeito e é uma honra trabalhar lado a lado com ele por esta causa [refugiados]. Não é apenas um excelente Alto-comissário, mas, acima de tudo, um grande ser humano. Guterres faz muito mais do que se vê. É incansável".

O ex-primeiro-ministro luso não conteve, de igual forma, elogios a Jolie. "É uma excelente embaixadora da Boa vontade. Vive o problema dos refugiados como se fosse seu. Cria uma afinidade com eles [refugiados] e dá-lhes força. Com a sua fama, chega a milhões de pessoas e é uma grande ajuda".

Tal como o El Mundo faz questão de frisar, as últimas semanas foram de enorme intensidade mediática tanto para Guterres, como para Angelina, mas por motivos bastante distintos. Enquanto o português deu que falar pela sua candidatura à secretaria-geral da ONU, a atriz de 41 anos tornou-se alvo da comunicação social pelo pedido de divórcio de Brad Pitt, pai dos seus seis filhos.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.