Dolores Aveiro brilhou no Festival de Cinema de Cannes

Foi uma das presenças mais notadas na passadeira vermelha do festival de cinema francês. A mãe de Cristiano Ronaldo surpreendeu no dia em que foi apresentado um filme português sobre futebol

"Estive na Red Carpet Cannes 2018. Obrigada pelo carinho e parceria". Foi assim que Dolores Aveiro revelou aos fãs que a seguem através da rede social Instagram que tinha sido uma das presenças no festival de cinema francês, no dia em que foi apresentado o filme português "Diamantino", cuja história gira à volta da vida de uma estrela do futebol mundial cuja carreira acaba em declínio.

A mãe de Cristiano Ronaldo não escondeu o sorriso por estar no Festival de Cannes. Com um vestido longo, com rendas, brilhantes e transparências a matriarca do clã Aveiro mostrou-se muito à vontade quando fotografada pela imprensa internacional.

A completar o look elegante, Dolores Aveiro usou joias Chopard.

Dolores não foi a única portuguesa a espalhar elegância em Cannes. Antes desfilaram na mesma passadeira Rita Pereira, Kelly Bailey, Sara Sampaio e Gisela João. Também a apresentadora da TVI, Cristina Ferreira, esteve no evento. As duas fizeram questão de posar juntas para uma foto.

A edição do festival de Cannes decorre até 19 de maio.

A matriarca do clã Aveiro vai ficar em França mais uns dias, pois vai marcar presença no Salão Imobiliário do Turismo em Versalhes, nos dias 18, 19 e 20.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.