Dolores Aveiro brilhou no Festival de Cinema de Cannes

Foi uma das presenças mais notadas na passadeira vermelha do festival de cinema francês. A mãe de Cristiano Ronaldo surpreendeu no dia em que foi apresentado um filme português sobre futebol

"Estive na Red Carpet Cannes 2018. Obrigada pelo carinho e parceria". Foi assim que Dolores Aveiro revelou aos fãs que a seguem através da rede social Instagram que tinha sido uma das presenças no festival de cinema francês, no dia em que foi apresentado o filme português "Diamantino", cuja história gira à volta da vida de uma estrela do futebol mundial cuja carreira acaba em declínio.

A mãe de Cristiano Ronaldo não escondeu o sorriso por estar no Festival de Cannes. Com um vestido longo, com rendas, brilhantes e transparências a matriarca do clã Aveiro mostrou-se muito à vontade quando fotografada pela imprensa internacional.

A completar o look elegante, Dolores Aveiro usou joias Chopard.

Dolores não foi a única portuguesa a espalhar elegância em Cannes. Antes desfilaram na mesma passadeira Rita Pereira, Kelly Bailey, Sara Sampaio e Gisela João. Também a apresentadora da TVI, Cristina Ferreira, esteve no evento. As duas fizeram questão de posar juntas para uma foto.

A edição do festival de Cannes decorre até 19 de maio.

A matriarca do clã Aveiro vai ficar em França mais uns dias, pois vai marcar presença no Salão Imobiliário do Turismo em Versalhes, nos dias 18, 19 e 20.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.