Dolce e Gabbana acusam Elton John de intolerância às "opiniões diferentes"

Polémica estalou depois de Elton John ter apelado ao boicote das roupas da marca italiana devido às declarações dos estilistas: chamaram "sintéticas" às crianças concebidas através de fertilização in vitro.

Os estilistas italianos Stefano Gabbana e Domenico Dolce defenderam hoje o seu direito a terem uma opinião diferente, após o músico Elton John ter apelado a que fossem boicotados devido a declarações a favor da família tradicional.

Gabbana e Dolce acusaram de intolerantes os que os criticaram pelas suas "opiniões diferentes" expressas numa entrevista à revista italiana Panorama, onde criticam a fertilização 'in vitro' ou o recurso a barrigas de aluguer.

"A vossa mentalidade arcaica está fora de moda, assim como a vossa roupa", afirmou no domingo Elton John na rede social Instagram, apelando ao boicote à dupla de estilistas italianos.

Elton John é casado com o cineasta David Furnish e têm dois filhos, de três e um ano, com recurso a uma 'barriga de aluguer'.

Gabbana, que teve um relacionamento com Dolce, considerou hoje no Instagram que o apelo de Elton John revela "intolerância às opiniões diferentes".

"É como se eu o boicotasse a ele (Elton John) porque teve dois filhos (através da fecundação) 'in vitro'!! Não sou um idiota!!! Tolerância", argumentou.

Dolce justificou as suas opiniões com o facto de ter "crescido com um modelo de família tradicional, formado por um mãe, um pai e um filho". "Sei que existem outras realidades e que é justo que existam, mas a minha visão da vida é a que me foi transmitida", declarou a jornalistas.

As críticas aos estilistas italianos alargaram-se nas redes sociais, com o cantor Ricky Martin a escrever no Twitter: "Dolce & Gabbana, as vossas vozes são demasiado poderosas para espalharem tanto ódio. Acordem, estamos em 2015".

A cantora e atriz Courtney Love e a tenista Martina Navratilova propõem-se queimar as peças que possuem da dupla italiana.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.