Depardieu diz que vai renunciar ao passaporte francês

O ator Gérard Depardieu afirmou sentir-se "insultado" com as críticas sobre a sua decisão de ir para a Bélgica por causa dos impostos em França e anunciou hoje que vai renunciar ao passaporte francês.

O ator, 63 anos, fez o anúncio numa carta aberta dirigida ao primeiro-ministro, Jean-Marc Ayrault, publicado pelo Journal du dimanche: 'Não peço para ser aceite, peço pelo menos para ser respeitado!"

No início desta semana, o primeiro-ministro francês descreveu a decisão de Gérard Depardieu de deixar a França como "patética" e "pouco patriótica".

"Todos aqueles que fugiram da França não foram insultados como eu fui", replicou Depardieu, na mesma missiva, citada pela agência noticiosa francesa AFP.

Afirmando que sempre pagou os seus impostos, Depardieu deixou uma pergunta ao primeiro-ministro: "Quem é você para me julgar desta maneira?"

"Vou devolver-lhe o meu passaporte e a segurança social que nunca usei. Não somos mais o mesmo país, sou um verdadeiro europeu, um cidadão do mundo, como o meu pai sempre me ensinou", concluiu Depardieu.

Agentes imobiliários indicaram na quinta-feira que o ator francês colocou à venda a sua histórica mansão em Paris, estimando-se que o tenha feito por uma verba de 50 milhões de euros.

Depardieu juntou-se a um grupo de franceses abastados que decidiu mudar-se para a Bélgica na sequência do aumento de impostos para os mais ricos em França, proposto pelo Presidente François Hollande.

Exclusivos