Da pornografia ao estrelato e ao abuso do álcool

Protagonista da série Mad Men conta em entrevista os desgostos de infância e como ultrapassou a dependência do álcool

Entre 2008 e 2016 foi Don Draper, a personagem principal da série Mad Men. Quando a série acabou Jon Hamm, divorciou-se e internou-se uma clínica de reabilitação para se libertar da dependência do álcool. Estes acontecimentos já eram públicos. Agora, o ator falou do estrelato, da infância infeliz e do seu primeiro trabalho no mundo do cinema: no departamento de arte de uma produtora de filmes eróticos.

As confissões foram feitas à revista Esquire da qual é capa. O ator de 47 anos está a fazer o seu regresso à vida social depois da reabilitação. Partilha com os leitores como teve uma recaída com o álcool quando acabou a série Mad Men. Mas partilhou também momentos mais caricatos da sua vida artística.

Um desses momentos foi a entrada no mundo do cinema pornográfico. Na verdade era mais cinema erótico e Jon Hamm trabalhava na direção artística. "Tinha perdido o meu trabalho no catering e precisava de outro. Uma amiga disse-me: 'Podes ficar com o meu. Estou como assistente de produção'. E eu disse-lhe: 'Não sei como é que isso se faz'. E ela respondeu: 'Não é assim tão difícil. Contratariam qualquer um. É que simplesmente não posso continuar a trabalhar lá'. Disse-lhe: 'Vou fazê-lo'", descreve o El Mundo. O seu papel era mudar objetos de sítios no set das filmagens.

Da infância recordou o divórcio dos pais quando tinha apenas dois anos. Depois, em 1980 perdeu a mãe para um cancro do cólon agressivo, quando esta tinha apenas 36 anos. Foi viver com o pai e duas irmãs de um anterior casamento deste. A adaptação não foi fácil, uma vez que o pai era também "um homem triste", tendo perdido as duas mães dos seus filhos.

Sem apoio para lidar com a sua tristeza, Jon Hamm acabou por enveredar por caminhos mais problemáticos logo na juventude. Foi também no início da década de 1990 que perdeu o pai, devido à diabetes.

Saído da reabilitação, o ator garante estar mais calmo e ter aprendido a redefinir prioridades.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.