Da pornografia ao estrelato e ao abuso do álcool

Protagonista da série Mad Men conta em entrevista os desgostos de infância e como ultrapassou a dependência do álcool

Entre 2008 e 2016 foi Don Draper, a personagem principal da série Mad Men. Quando a série acabou Jon Hamm, divorciou-se e internou-se uma clínica de reabilitação para se libertar da dependência do álcool. Estes acontecimentos já eram públicos. Agora, o ator falou do estrelato, da infância infeliz e do seu primeiro trabalho no mundo do cinema: no departamento de arte de uma produtora de filmes eróticos.

As confissões foram feitas à revista Esquire da qual é capa. O ator de 47 anos está a fazer o seu regresso à vida social depois da reabilitação. Partilha com os leitores como teve uma recaída com o álcool quando acabou a série Mad Men. Mas partilhou também momentos mais caricatos da sua vida artística.

Um desses momentos foi a entrada no mundo do cinema pornográfico. Na verdade era mais cinema erótico e Jon Hamm trabalhava na direção artística. "Tinha perdido o meu trabalho no catering e precisava de outro. Uma amiga disse-me: 'Podes ficar com o meu. Estou como assistente de produção'. E eu disse-lhe: 'Não sei como é que isso se faz'. E ela respondeu: 'Não é assim tão difícil. Contratariam qualquer um. É que simplesmente não posso continuar a trabalhar lá'. Disse-lhe: 'Vou fazê-lo'", descreve o El Mundo. O seu papel era mudar objetos de sítios no set das filmagens.

Da infância recordou o divórcio dos pais quando tinha apenas dois anos. Depois, em 1980 perdeu a mãe para um cancro do cólon agressivo, quando esta tinha apenas 36 anos. Foi viver com o pai e duas irmãs de um anterior casamento deste. A adaptação não foi fácil, uma vez que o pai era também "um homem triste", tendo perdido as duas mães dos seus filhos.

Sem apoio para lidar com a sua tristeza, Jon Hamm acabou por enveredar por caminhos mais problemáticos logo na juventude. Foi também no início da década de 1990 que perdeu o pai, devido à diabetes.

Saído da reabilitação, o ator garante estar mais calmo e ter aprendido a redefinir prioridades.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.