Da pornografia ao estrelato e ao abuso do álcool

Protagonista da série Mad Men conta em entrevista os desgostos de infância e como ultrapassou a dependência do álcool

Entre 2008 e 2016 foi Don Draper, a personagem principal da série Mad Men. Quando a série acabou Jon Hamm, divorciou-se e internou-se uma clínica de reabilitação para se libertar da dependência do álcool. Estes acontecimentos já eram públicos. Agora, o ator falou do estrelato, da infância infeliz e do seu primeiro trabalho no mundo do cinema: no departamento de arte de uma produtora de filmes eróticos.

As confissões foram feitas à revista Esquire da qual é capa. O ator de 47 anos está a fazer o seu regresso à vida social depois da reabilitação. Partilha com os leitores como teve uma recaída com o álcool quando acabou a série Mad Men. Mas partilhou também momentos mais caricatos da sua vida artística.

Um desses momentos foi a entrada no mundo do cinema pornográfico. Na verdade era mais cinema erótico e Jon Hamm trabalhava na direção artística. "Tinha perdido o meu trabalho no catering e precisava de outro. Uma amiga disse-me: 'Podes ficar com o meu. Estou como assistente de produção'. E eu disse-lhe: 'Não sei como é que isso se faz'. E ela respondeu: 'Não é assim tão difícil. Contratariam qualquer um. É que simplesmente não posso continuar a trabalhar lá'. Disse-lhe: 'Vou fazê-lo'", descreve o El Mundo. O seu papel era mudar objetos de sítios no set das filmagens.

Da infância recordou o divórcio dos pais quando tinha apenas dois anos. Depois, em 1980 perdeu a mãe para um cancro do cólon agressivo, quando esta tinha apenas 36 anos. Foi viver com o pai e duas irmãs de um anterior casamento deste. A adaptação não foi fácil, uma vez que o pai era também "um homem triste", tendo perdido as duas mães dos seus filhos.

Sem apoio para lidar com a sua tristeza, Jon Hamm acabou por enveredar por caminhos mais problemáticos logo na juventude. Foi também no início da década de 1990 que perdeu o pai, devido à diabetes.

Saído da reabilitação, o ator garante estar mais calmo e ter aprendido a redefinir prioridades.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.