Cristiano Ronaldo pede que não estraguem bom momento com "notícias falsas"

O futebolista português nega ter problemas com o Fisco espanhol e faz apelo através da rede social Instagram

Cristiano Ronaldo pediu hoje à comunicação social para não tentarem "apagar o momento bonito" que atravessa com "notícias falsas", num dia em que foram publicadas notícias sobre o alegado litígio com o Fisco espanhol.

"Não tentem apagar o momento bonito que estou vivendo com notícias falsas", escreveu hoje na rede social Instagram o avançado luso, do Real Madrid, no mesmo dia em que o jornal El Mundo noticiou que o português terá oferecido um cheque em branco à Agência Tributária espanhola para que abandonasse a via penal.

Segundo o diário espanhol, que cita fontes próximas do processo, as conversas entre as duas partes duram há várias semanas e pretendiam terminar com a regularização voluntária do diferendo em tribunal, no qual Ronaldo é acusado de fraude fiscal no valor de 14,7 milhões de euros relativos a ganhos com direitos de imagem no período compreendido entre 2011 e 2014.

Mais tarde, a agência Europa Press, citando fontes próximas da investigação, noticiou a recusa do Fisco em deixar cair a via penal, sendo que as mesmas fontes rejeitam ainda a notícia de que o número 7 terá oferecido um cheque em branco à Agência Tributária.

A Europa Press explica ainda que teve lugar uma reunião com a equipa negocial do português, que ofereceu uma verba a rondar os cinco milhões de euros para regularizar o processo, que foi rejeitada, com o Fisco a pretender seguir os trâmites penais previstos.

No domingo, Cristiano Ronaldo apontou quatro golos e registou uma assistência para golo na vitória por 6-3 frente ao Girona, na Liga espanhola, e chegou aos 22 tentos no campeonato, colocando-se a três do melhor marcador, o argentino Lionel Messi (FC Barcelona).

O 'capitão' da seleção portuguesa está ainda convocado para os particulares com Egito e Holanda, de preparação para o Mundial2018, com os trabalhos da formação das 'quinas' a arrancarem na terça-feira, com um treino na Cidade do Futebol, em Oeiras.

O 'duelo' com o Egito está agendado para 23 de março, às 19:45, em Zurique, na Suíça, e o embate com a Holanda será três dias depois, às 19:30, em Genebra.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?