Corden ou Crawford? Quem fica melhor de calções rasgados?

Humorista James Corden e Cindy Crawford recriam anúncio exibido no intervalo da Superbowl em 1992

James Corden volta a fazer das suas. Depois de colocar estrelas como Chris Martin, Adele, Justin Bieber, Stevie Wonder e Mariah Carey a cantar num carro, na rubrica Carpool Karaoke, do seu programa The Late Show with James Corden, o humorista britânico juntou-se a Cindy Crawford para recriar um icónico anúncio que a ex-top model protagonizou.

Corden e Crawford, vestidos com a mesma roupa (um top branco de alças e micro-calções de ganga) gravaram a versão 2016 do spot publicitário de 1992, que foi exibido no intervalo da Superbowl. O resultado final vai poder ser visto este domingo, no talk show de Corden, na CBS... logo após a transmissão em direto da 50ª edição da final do campeonato de futebol norte-americano.

"Quem fica melhor?", questionou Cindy Crawford no Instagram

Na sua conta oficial de Instagram, Cindy Crawford publicou uma fotografia onde surge ao lado de James Corden, com o "uniforme" do anúncio da Pepsi. E questionou os seus fãs. "Quem é que fica melhor?".

Veja aqui o anúncio original, de 1992:

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?