Channing Tatum transformou os filmes "Magic Mike" num espectáculo ao vivo

Espetáculo vendeu um milhão de libras em bilhetes na primeira hora

O ator Channing Tatum espera animar Londres com muitas acrobacias e coreografias sedutoras no seu novo Magic Mike, uma produção ao vivo que o norte-americano descreve como uma versão atualizada dos espetáculos de strip masculino.

O ator de 38 anos, que protagonizou os filmes Magic Mike, sobre strippers do sexo masculino, é um dos responsáveis pela produção de um espetáculo baseado nos filmes.

"Magic Mike Live", que vai estrear-se em novembro no Casino Hippodrome, em Londres, arrecadou 1 milhão de libras em bilhetes na primeira hora de vendas.

"Sempre achámos que havia um mercado, os filmes saíram-se bem aqui, mas não podíamos imaginar este tipo de reação", disse Tatum em entrevista à Reuters.

O primeiro filme, realizado por Steven Soderbergh, estreou-se em 2012 e foi um sucesso comercial, tendo gerado uma sequela em 2015. Tatum revelou que não queria fazer um terceiro, mas que a ideia de o transformar numa produção ao vivo soou mais apelativa.

Tatum explicou ainda que se juntou ao argumentista Reid Carolin e começaram a perguntar a amigas o que gostavam de ver em palco.

"Muitas mulheres não conseguiam dizer exatamente o que queriam e eu acho que isso é porque queriam tudo", explicou Channing Tatum, acrescentando que as mulheres já deviam ter exigido melhor. "Ainda é o espetáculo do bombeiro e do cowboy."

"Vão rir e se tudo correr bem não vão sentir que precisam de um duche a seguir", concluiu.

Questionado sobre se fará uma aparição em palco, Tatum disse que já está velho: "Sempre prometi aos rapazes que se voltasse a ficar em forma dançaria novamente... agora iria destacar-me pela negativa no meio deles."

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.