Channing Tatum transformou os filmes "Magic Mike" num espectáculo ao vivo

Espetáculo vendeu um milhão de libras em bilhetes na primeira hora

O ator Channing Tatum espera animar Londres com muitas acrobacias e coreografias sedutoras no seu novo Magic Mike, uma produção ao vivo que o norte-americano descreve como uma versão atualizada dos espetáculos de strip masculino.

O ator de 38 anos, que protagonizou os filmes Magic Mike, sobre strippers do sexo masculino, é um dos responsáveis pela produção de um espetáculo baseado nos filmes.

"Magic Mike Live", que vai estrear-se em novembro no Casino Hippodrome, em Londres, arrecadou 1 milhão de libras em bilhetes na primeira hora de vendas.

"Sempre achámos que havia um mercado, os filmes saíram-se bem aqui, mas não podíamos imaginar este tipo de reação", disse Tatum em entrevista à Reuters.

O primeiro filme, realizado por Steven Soderbergh, estreou-se em 2012 e foi um sucesso comercial, tendo gerado uma sequela em 2015. Tatum revelou que não queria fazer um terceiro, mas que a ideia de o transformar numa produção ao vivo soou mais apelativa.

Tatum explicou ainda que se juntou ao argumentista Reid Carolin e começaram a perguntar a amigas o que gostavam de ver em palco.

"Muitas mulheres não conseguiam dizer exatamente o que queriam e eu acho que isso é porque queriam tudo", explicou Channing Tatum, acrescentando que as mulheres já deviam ter exigido melhor. "Ainda é o espetáculo do bombeiro e do cowboy."

"Vão rir e se tudo correr bem não vão sentir que precisam de um duche a seguir", concluiu.

Questionado sobre se fará uma aparição em palco, Tatum disse que já está velho: "Sempre prometi aos rapazes que se voltasse a ficar em forma dançaria novamente... agora iria destacar-me pela negativa no meio deles."

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.