Catarina Furtado impressionada com Sudão do Sul

"Há fantasmas que ficam para sempre" disse a embaixadora das Nações Unidas à chegada a Lisboa, onde a família a esperava.

Dez dias no Sudão do Sul, um dos novos países do mundo - reconhecido como independente em Julho ao fim de décadas de conflito -, criaram impressões marcantes em Catarina Furtado.

A apresentadora da RTP e embaixadora das Nações Unidas para o Fundo da População chegou ontem a Portugal vinda de mais uma missão e revelou que "há fantasmas que ficam para sempre". Daí que seja bom o momento de regressar a casa. "É um privilégio poder voltar. Eu volto para o meu conforto, mas queria voltar a outros sítios também", disse. À sua espera tinha o marido, o actor João Reis, os sorrisos dos filhos e uma gerbéria vermelha.

E regressou com várias histórias para contar na terceira série do seu programa Príncipes do Nada, que deverá começar em Março. "Acompanhámos dois portugueses. O padre José Vieira e do enfermeiro irmão António".

Uma das coisas que mais a impressionou foi a taxa de mortalidade do Sudão do Sul. "Em cada cem mil bebés que nascem, 2500 morrem...". Outra chaga daquele país é a criminalidade e a prostituição infantil: "Nove em cada dez crianças são violadas. Muitas são órfãs e não têm ninguém, estão nas ruas completamente vulneráveis. É das coisas mais violentas a que já assisti", relatou ainda Catarina Furtado.

Ler mais

Exclusivos