"Cartas da Guerra" lidas para centenas no Cinema São Jorge

A antestreia do filme "Cartas da Guerra", protagonizado por Margarida Vila Nova e Miguel Nunes, decorreu esta quarta-feira no Cinema São Jorge, em Lisboa.

As cartas que António Lobo Antunes escreveu à sua amada, Maria José, enquanto esteve destacado como médico do exército português na Guerra Colonial, são a grande inspiração do novo filme de Ivo M. Ferreira, Cartas da Guerra. Protagonizado pela mulher, a atriz Margarida Vila-Nova, e por Miguel Nunes, a longa-metragem nomeada para os Prémios Europeus de Cinema assinalou esta quarta-feira à noite a sua antestreia, no Cinema São Jorge, em Lisboa.

Para Margarida Vila-Nova, "a Guerra Colonial ganha rosto depois deste filme". "Esta é uma época tão pouco falada, tão silenciada. São coisas que imaginámos e que agora se tornam concretas no cinema. E o cinema é eterno", frisa ao nosso jornal.

Esta não é a primeira vez - "nem será a última" - que a atriz de 33 anos trabalha com o marido. Com ele, confessa, tudo fica mais fácil. " Somos uma boa equipa, somos cúmplices, somos bons colegas e respeitamos muito o trabalho um do outro, para além de sermos marido e mulher. Claro que isso torna os processos de trabalho mais fáceis". E Ivo Ferreira confirma: "É quase um descanso ter a Margarida num plateau, porque ela impõe uma fasquia elevada de respeito e de qualidade".

Ricardo Pereira, que durante o mês de setembro estará em Lisboa a gravar uma nova produção brasileira e portuguesa, Mulheres, com a atriz Paolla Oliveira, também integra o elenco de Cartas da Guerra.Além de destacar "a forma extraordinária como a voz da Margarida narra este filme", o ator defende, sem hesitar, que este "vai ficar para sempre guardado como um dos grandes filmes feitos em Portugal".

Entre os convidados que assistiram à antestreia destacaram-se o ator brasileiro Cauã Reymond, Maria João Bastos, Rita Ferro Rodrigues, Luís Esparteiro, Victoria Guerra, Joaquim Horta, Gabriela Sobral e, entre outros, Sofia Arruda.

Cartas da Guerra chega às salas de cinema a 1 de setembro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...