"Cartas da Guerra" lidas para centenas no Cinema São Jorge

A antestreia do filme "Cartas da Guerra", protagonizado por Margarida Vila Nova e Miguel Nunes, decorreu esta quarta-feira no Cinema São Jorge, em Lisboa.

As cartas que António Lobo Antunes escreveu à sua amada, Maria José, enquanto esteve destacado como médico do exército português na Guerra Colonial, são a grande inspiração do novo filme de Ivo M. Ferreira, Cartas da Guerra. Protagonizado pela mulher, a atriz Margarida Vila-Nova, e por Miguel Nunes, a longa-metragem nomeada para os Prémios Europeus de Cinema assinalou esta quarta-feira à noite a sua antestreia, no Cinema São Jorge, em Lisboa.

Para Margarida Vila-Nova, "a Guerra Colonial ganha rosto depois deste filme". "Esta é uma época tão pouco falada, tão silenciada. São coisas que imaginámos e que agora se tornam concretas no cinema. E o cinema é eterno", frisa ao nosso jornal.

Esta não é a primeira vez - "nem será a última" - que a atriz de 33 anos trabalha com o marido. Com ele, confessa, tudo fica mais fácil. " Somos uma boa equipa, somos cúmplices, somos bons colegas e respeitamos muito o trabalho um do outro, para além de sermos marido e mulher. Claro que isso torna os processos de trabalho mais fáceis". E Ivo Ferreira confirma: "É quase um descanso ter a Margarida num plateau, porque ela impõe uma fasquia elevada de respeito e de qualidade".

Ricardo Pereira, que durante o mês de setembro estará em Lisboa a gravar uma nova produção brasileira e portuguesa, Mulheres, com a atriz Paolla Oliveira, também integra o elenco de Cartas da Guerra.Além de destacar "a forma extraordinária como a voz da Margarida narra este filme", o ator defende, sem hesitar, que este "vai ficar para sempre guardado como um dos grandes filmes feitos em Portugal".

Entre os convidados que assistiram à antestreia destacaram-se o ator brasileiro Cauã Reymond, Maria João Bastos, Rita Ferro Rodrigues, Luís Esparteiro, Victoria Guerra, Joaquim Horta, Gabriela Sobral e, entre outros, Sofia Arruda.

Cartas da Guerra chega às salas de cinema a 1 de setembro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.