Carrilho: Bárbara Guimarães é uma "falsa vítima" de violência doméstica

Ex-ministro da Cultura acusou a ex-mulher de ser a verdadeira agressora

O ex-ministro da Cultura e arguido Manuel Maria Carrilho declarou hoje em julgamento que a ex-mulher Bárbara Guimarães é uma "falsa vítima" de violência doméstica e que a "falsa vítima foi o verdadeiro agressor".

"Agressor aqui só há um: Bárbara Guimarães", disse Manuel Maria Carrilho nas suas últimas declarações em julgamento, antes de a juíza marcar para 15 de dezembro a leitura da sentença do processo em que o antigo ministro está acusado de violência doméstica contra a ex-mulher e apresentadora da televisão.

Optando por falar no final de julgamento, Carrilho considerou este processo um "aviltamento" à luta contra a violência doméstica, alegando o "torrencial de fragilidades da acusação" e as "tantas mentiras" que foram ditas em tribunal, nomeadamente por testemunhas que vieram dizer que a apresentadora só bebia "um copito" ou outro, quando, na realidade, apontou, já foi apanhada pela polícia a conduzir com 2,8 gramas de álcool no sangue.

Carrilho vincou que os filhos Dinis e Carlota são as verdadeiras testemunhas do que se passou e de quem, afinal, foi o agressor neste caso, alegando que foi "alvejado pelas costas" pela ex-mulher, que o acusou de violência doméstica, deixando a comunicação social "acampada" à porta da sua casa.

O ex-ministro admitiu que o "golpe" que lhe foi desferido pela ex-mulher o deixou "fora de si" e o levou a dizer publicamente coisas que não devia ter dito, mas que havia revelações que tinha de ser feitas.

"Quero reiterar a total inocência face à escabrosa acusação feita por Bárbara Guimarães", disse Carrilho, insurgindo-se contra aquilo que designou de "plano miserável", que disse estar a arrasá-lo e aos filhos, nos últimos quatro anos.

Em declarações aos jornalistas, no final da audiência, Pedro Reis, advogado de Bárbara Guimarães (que é assistente no processo), classificou as afirmações de Carrilho de "delirantes", observando que o antigo ministro "perdeu 45 minutos" a falar de processos que estão no Tribunal de Família, relacionado com os filhos, e não com o que está a ser julgado.

O advogado lembrou que Carrilho foi recentemente condenando, num outro processo-crime envolvendo também a ex-mulher, a quatro anos e seis meses de prisão com pena suspensa por violência doméstica e outros crimes.

À semelhança do que alegara em tribunal, o advogado de Bárbara Guimarães descreveu o arguido como um "homem frio, calculista e planeado, mas totalmente descontrolado ao mesmo tempo".

"Acham normal que uma pessoa que está acusada de violência doméstica, depois de uma investigação pública, feita de forma exemplar pelo Ministério Público (MP), venha dizer que ele é que é a vítima de violência doméstica?", questionou o advogado de Bárbara Guimarães, dando de imediato a resposta: "É absolutamente absurdo e põe em causa a própria justiça".

Na primeira sessão de alegações, o MP tinha pedido três anos e quatro meses de pena suspensa para Carrilho, dando como provado o crime de violência doméstica de que é acusado.

Nessa sessão, realizada na semana passada, o advogado de Bárbara Guimarães pediu uma pena efetiva de prisão de três anos e dez meses para o ex-ministro, considerando que foi provado o crime de violência doméstica e vários de difamação.

Por sua vez, a defesa de Manuel Maria Carrilho pediu a absolvição do seu cliente por as acusações serem uma "história patética e muito mal contada".

Num outro processo que envolve o ex-casal, a 31 de outubro, o tribunal condenou Manuel Maria Carrilho a quatro anos e seis meses de prisão com pena suspensa por agressão, injúrias, violência doméstica, entre outros crimes cometidos contra a apresentadora de televisão em 2014 a quem terá de pagar 50 mil euros.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.