Carolina Herrera homenageada pela carreira de sucesso

A estilista Carolina Herrera recebeu o prémio Women's Leadership na gala anual da Fundação do Lincoln Center. A homenagem incluiu ainda a exposição de algumas das suas mais marcantes criações.

Com uma carreira de 35 anos à frente da marca que fundou, Carolina Herrera foi homenageada na gala anual da Fundação do Lincoln Center, um evento de angariação de fundos, com o prémio Women"s Leadership, pelo trabalho como líder feminina de sucesso na indústria da moda.

A estilista venezuelana radicada nos EUA, que lançou a primeira coleção em nome próprio em 1981, ano em que se mudou para Nova Iorque, foi uma das principais estrelas da gala.

No seu discurso de apresentação, Herrera, de 77 anos, falou sobre a importância da interconectividade entre a moda e a arte. "A arte está sempre a inspirar a moda e a moda é a arte em movimento", contou.

As atrizes Christina Ricci, Julianna Margulies e Emmy Rossum foram algumas das convidadas da gala, que contou ainda com uma atuação da diva da "soul" Diana Ross. Ainda a propósigto da homenagem a Carolina Herrera, estiveram em exposição nas instalações do Lincoln Center algumas das mais marcantes criações da estilista ao longo das últimas décadas.

"Ela é moderna, ela é uma nova-iorquina, é feminina, tem classe e é sensual. A Carolina é confiante e inteligente. E é assim que tu te sentes quando vestes a roupa dela", explicou a atriz Emmy Rossum à agência Reuters.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.