Carolina Herrera homenageada pela carreira de sucesso

A estilista Carolina Herrera recebeu o prémio Women's Leadership na gala anual da Fundação do Lincoln Center. A homenagem incluiu ainda a exposição de algumas das suas mais marcantes criações.

Com uma carreira de 35 anos à frente da marca que fundou, Carolina Herrera foi homenageada na gala anual da Fundação do Lincoln Center, um evento de angariação de fundos, com o prémio Women"s Leadership, pelo trabalho como líder feminina de sucesso na indústria da moda.

A estilista venezuelana radicada nos EUA, que lançou a primeira coleção em nome próprio em 1981, ano em que se mudou para Nova Iorque, foi uma das principais estrelas da gala.

No seu discurso de apresentação, Herrera, de 77 anos, falou sobre a importância da interconectividade entre a moda e a arte. "A arte está sempre a inspirar a moda e a moda é a arte em movimento", contou.

As atrizes Christina Ricci, Julianna Margulies e Emmy Rossum foram algumas das convidadas da gala, que contou ainda com uma atuação da diva da "soul" Diana Ross. Ainda a propósigto da homenagem a Carolina Herrera, estiveram em exposição nas instalações do Lincoln Center algumas das mais marcantes criações da estilista ao longo das últimas décadas.

"Ela é moderna, ela é uma nova-iorquina, é feminina, tem classe e é sensual. A Carolina é confiante e inteligente. E é assim que tu te sentes quando vestes a roupa dela", explicou a atriz Emmy Rossum à agência Reuters.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.