Madonna não consegue travar justiça. Roupa interior e cabelo vão a leilão

Cantora perdeu em tribunal uma disputa que mantinha com um Darlene Lutz, que ajudou Madonna a construir uma vasta coleção de objetos

Madonna perdeu uma batalha legal em que tentava impedir o leilão de objetos pessoais, como um pedaço de cabelo, roupa interior e ainda uma carta de um antigo namorado, o rapper Tupac Shakur.

Apesar de ter conseguido um bloqueio temporário da venda dos artigos em julho de 2016, ao dizer a um tribunal de Nova Iorque que o facto de ser uma celebridade não a fazia perder o direito à sua privacidade e objetos pessoais, um juiz decidiu agora de forma contrária à opinião e objetivos da cantora.

Explica o Guardian que o juiz Gerald Lebovits, que tomou a decisão, afirma que Madonna devia ter acionado legalmente os assistentes que forneceram os seus pertences a terceiros, ao invés da colecionadora de arte Darlene Lutz, que ajudou Madonna a criar uma coleção de artigos antes de o par deixar de trabalhar em conjunto.

Darlene Lutz afirmou que a disputa entre as duas foi terminada com um acordo em 2004. "A Sra. Lutz é agora livre de fazer o que quiser com a sua propriedade sem qualquer interferência continua de Madonna", afirmou Judd Grossman, representante legal da colecionadora.

A casa de leilões Gotta Have Rock And Roll afirmou em julho de 2017 que iria avançar com os leilões e sempre se mostrou confiante que a situação se resolveria a seu favor.

Tupac Shakur, que morreu em 1996 aos 25 anos, escreveu uma carta, datada de 1994, em que terminava o namoro com Madonna. No lote de objetos está ainda uma carta da cantora para outra pessoa, em que chama "medíocre" a Whitney Houston e Sharon Stone.

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.