Bradley Cooper recorda morte do pai

Ator falou sobre a perda do pai, que morreu com cancro, no lançamento de unidade de investigação sobre a doença

Bradley Cooper deu um emocionado discurso sobre a morte do pai, na cerimónia de lançamento do Instituto de Parker para a Imunoterapia do Cancro, criado pela fundação do empresário norte-americano Sean Parker. O ator partilhou com o público a dor do processo de luto e deixou uma mensagem de esperança para a fundação, que investiu mais de 250 milhões de euros no novo instituto.

"Só vos quero falar do meu pai, Charles J. Cooper, que morreu com cancro do pulmão em 2011. Eu estava numa situação muito afortunada porque foi-me possível colocar todos os outros aspetos da minha vida em pausa e focar-me completamente nele e em cuidar dele", começou por explicar Bradley Cooper.

À plateia, onde estavam John Legend, Sean Penn, Katy Perry e Orlando Bloom, o ator descreveu o processo de cuidados paliativos como "simplesmente esmagador, incrivelmente stressante, complexo e desgastante", contou a publicação People.

Cooper anunciou ainda que vai lançar, juntamente com Parker, uma nova incitativa para ajudar as pessoas que não conseguem suportar os elevados custos dos tratamentos: "O meu objetivo é que um dia qualquer pessoa com cancro possa contar com um apoio total para combater a doença, mantendo a qualidade de vida, desde o dia do diagnóstico até ao fim do tratamento, independentemente das posses económicas."

Bradley Cooper, namorado de Irina Shayk desde o início do ano, está atualmente em gravações para a sequela do filme da Marvel "Guardiões da Galáxia", onde dá a voz à personagem animada Rocket Racoon; o filme deverá chegar em maio do próximo ano às salas de cinema portuguesas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.