Belcanto sobe dez lugares no ranking mundial. "É muito bom para Portugal"

O espaço lisboeta do chef José Avillez está na posição 75 da lista do "The World"s 50 Best Restaurants". "Foi com grande satisfação que recebemos esta notícia", disse ao DN

O restaurante Belcanto, em Lisboa, viu a sua classificação aumentar no ranking dos melhores restaurantes do mundo. Até então no lugar 85 da lista "The World"s 50 Best Restaurants" o espaço do chef José Avillez sobe agora 10 posições, tendo alcançado o lugar 75.

"Foi com grande satisfação que recebemos esta notícia. É muito bom para a equipa do Belcanto, para Lisboa e para Portugal ver o nosso património gastronómico e o nosso trabalho reconhecido desta forma", reagiu o chef português em declarações ao DN.

Uma boa notícia para a divulgação da gastronomia nacional no mundo, considera Avillez. "Espero que seja mais um contributo para que a cozinha portuguesa ganhe destaque no panorama internacional", desejou.

A lista - que apresenta os melhores espaços desde o 50º lugar até à posição 100 - foi divulgada esta terça-feira, sendo que os primeiros 50 são revelados a 19 de junho, numa cerimónia em Bilbao, que vai contar com o chefe português.

"Será com satisfação que irei participar na cerimónia de atribuição dos prémios", declarou.

Na lista divulgada hoje não figura mais nenhum restaurante nacional.

Distinguido com duas estrelas Michelin, o Belcanto abriu em 1958, no Chiado, no Largo de São Carlos, junto ao Teatro Nacional de São Carlos. Este é um dos 17 espaços do chef Avillez.

Reabriu sob a tutela de José Avillez no início de 2012, totalmente renovado. Nesse mesmo ano foi distinguido com a primeira das estrelas Michelin e, em 2014, recebeu a segunda.

O Belcanto foi o primeiro restaurante em Lisboa a ser distinguido com duas estrelas Michelin e José Avillez o primeiro chef português a receber esta distinção em Portugal.

Na carta do restaurante figuram pratos da cozinha portuguesa revisitados num ambiente sofisticado. O espaço recebe até 28 pessoas que, ao sabor da mão do chef seguem numa viagem gastronómica e sensorial absolutamente única.

Cada prato conta uma história e tem como principal objetivo emocionar quem o aceita provar.

José Avillez participa nesta lista há três anos. O top 50 é atualmente liderado pelo Eleven Madisson Park, do chef Daniel Humm.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.