Bárbara Guimarães assume ter batido em vários carros e diz que vai procurar ajuda

A apresentadora assume a culpa e a responsabilidade pelos danos materiais

A apresentadora Bárbara Guimarães assume ter batido em vários carros em Alcácer do Sal, no dia 8 de outubro, e admite que já pediu "acompanhamento e tratamento terapêutico".

Em comunicado, Bárbara Guimarães reage às notícias que dão conta de que estaria alcoolizada quando embateu em vários carros, quando tentava deixar o parque de estacionamento de um hotel, assumindo a culpa e a responsabilidade pelos danos materiais.

"Na madrugada do dia 8, entrei no meu carro estacionado num parque de estacionamento de um hotel a essa hora totalmente deserto e embati em alguns veículos que se encontravam estacionados nas imediações", começa por explicar.

A apresentadora aproveita a oportunidade para sublinhar que, "como qualquer cidadão responsável deve fazer", solicitou "um acompanhamento e tratamento terapêutico", atribuindo os seus problemas às circunstâncias em que tem vivido, com referência ao processo de violência doméstica que a opõe ao ex-marido, Manuel Maria Carrilho.

"Devido às circunstâncias em que tenho vivido, nomeadamente o envolvimento em ações criminais de violência doméstica em que, sendo embora a vítima, sofri um desgaste pessoal insustentável, solicitei por esse motivo um acompanhamento e tratamento terapêutico para fazer face à extrema e constante violência psicológica a que tenho sido submetida nos últimos anos", escreve Bárbara Guimarães.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".