Autópsia confirma morte por impacto e incêndio

A combinação do impacto e das chamas provocaram a morte do ator Paul Walker, num acidente de viação no sábado passado, em Los Angeles, confirmou a autópsia.

O ator, protagonista da saga "Velocidade Furiosa", 40 anos, seguia num Porsche Carrera GT vermelho com o amigo Roger Rodas, 39 anos, quando a viatura se despistou e embateu num poste e em árvores, tendo explodido de seguida.

A autópsia, cuja realização esteve dependente da chegada dos registos dentários do ator (necessários devido ao facto de o corpo estar irreconhecível), confirmou que a combinação do impacto do acidente e as chamas que deflagraram levaram à morte de Paul Walker.

Relativamente ao condutor do Porsche, o relatório não faz referência ao incêndio, mencionando apenas os vários traumas sofridos com o impacto.

Dentro de 6 a 8 semanas, sairão os resultados dos exames toxicológicos.

As causas do acidente ainda estão por apurar, mas a polícia já descartou a hipótese de um segundo carro ter estado envolvido.

Entretanto, a produção do sétimo filme da saga "Velocidade Furiosa", para o qual Paul Walker chegou a gravar algumas cenas, está suspensa. "Entendemos que é nossa responsabilidade parar a produção por um certo tempo, para poder refletir sobre todas as opções possíveis para o futuro", diz o comunicado da Universal, citado pela "Variety". "Por agora, estamos empenhados em dar todo o apoio necessário à família de Paul e à nossa família de 'Velocidade Furiosa'", refere ainda.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.