Autópsia confirma morte por impacto e incêndio

A combinação do impacto e das chamas provocaram a morte do ator Paul Walker, num acidente de viação no sábado passado, em Los Angeles, confirmou a autópsia.

O ator, protagonista da saga "Velocidade Furiosa", 40 anos, seguia num Porsche Carrera GT vermelho com o amigo Roger Rodas, 39 anos, quando a viatura se despistou e embateu num poste e em árvores, tendo explodido de seguida.

A autópsia, cuja realização esteve dependente da chegada dos registos dentários do ator (necessários devido ao facto de o corpo estar irreconhecível), confirmou que a combinação do impacto do acidente e as chamas que deflagraram levaram à morte de Paul Walker.

Relativamente ao condutor do Porsche, o relatório não faz referência ao incêndio, mencionando apenas os vários traumas sofridos com o impacto.

Dentro de 6 a 8 semanas, sairão os resultados dos exames toxicológicos.

As causas do acidente ainda estão por apurar, mas a polícia já descartou a hipótese de um segundo carro ter estado envolvido.

Entretanto, a produção do sétimo filme da saga "Velocidade Furiosa", para o qual Paul Walker chegou a gravar algumas cenas, está suspensa. "Entendemos que é nossa responsabilidade parar a produção por um certo tempo, para poder refletir sobre todas as opções possíveis para o futuro", diz o comunicado da Universal, citado pela "Variety". "Por agora, estamos empenhados em dar todo o apoio necessário à família de Paul e à nossa família de 'Velocidade Furiosa'", refere ainda.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.