Autópsia confirma morte por impacto e incêndio

A combinação do impacto e das chamas provocaram a morte do ator Paul Walker, num acidente de viação no sábado passado, em Los Angeles, confirmou a autópsia.

O ator, protagonista da saga "Velocidade Furiosa", 40 anos, seguia num Porsche Carrera GT vermelho com o amigo Roger Rodas, 39 anos, quando a viatura se despistou e embateu num poste e em árvores, tendo explodido de seguida.

A autópsia, cuja realização esteve dependente da chegada dos registos dentários do ator (necessários devido ao facto de o corpo estar irreconhecível), confirmou que a combinação do impacto do acidente e as chamas que deflagraram levaram à morte de Paul Walker.

Relativamente ao condutor do Porsche, o relatório não faz referência ao incêndio, mencionando apenas os vários traumas sofridos com o impacto.

Dentro de 6 a 8 semanas, sairão os resultados dos exames toxicológicos.

As causas do acidente ainda estão por apurar, mas a polícia já descartou a hipótese de um segundo carro ter estado envolvido.

Entretanto, a produção do sétimo filme da saga "Velocidade Furiosa", para o qual Paul Walker chegou a gravar algumas cenas, está suspensa. "Entendemos que é nossa responsabilidade parar a produção por um certo tempo, para poder refletir sobre todas as opções possíveis para o futuro", diz o comunicado da Universal, citado pela "Variety". "Por agora, estamos empenhados em dar todo o apoio necessário à família de Paul e à nossa família de 'Velocidade Furiosa'", refere ainda.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".