Keira Knightley e Emma Thompson entre 190 atrizes contra o assédio

Carta aberta publicada no dia da cerimónia dos prémios Bafta

Atrizes como Keira Knightley, Emma Thompson e Naomie Harris figuram entre as 190 intérpretes britânicas que apelam à união contra o assédio e o abuso sexual, numa carta hoje divulgada na imprensa.

A carta foi divulgada pelo jornal dominical britânico The Observer, no mesmo dia em que decorrerá, em Londres, a cerimónia dos prémios de cinema Bafta, na qual as atrizes prometem vestir de negro como gesto de solidariedade para com o movimento contra os casos de assédio e abuso sexual "Time's Up".

Na carta, as atrizes recordam como nas últimas semanas as mulheres se organizaram "por todo o mundo, resistindo e denunciando" casos de assédio sexual.

Assinalaram ainda que, quando em outubro do ano passado a imprensa publicou diferentes casos de assédio e abuso na indústria cinematográfica, receberam "centenas de cartas de solidariedade" de mulheres de outros setores.

As atrizes que subscrevem a carta instam todas as suas outras colegas a juntar-se a este movimento e a "fazer com que 2018 seja o ano em que acabou a época do assédio e do abuso sexual".

Em janeiro, nos Estados Unidos, os vestidos e trajes negros encheram o tapete vermelho na 75.ª edição dos Globos de Ouro, num primeiro grande protesto público contra o assédio às mulheres em Hollywood, na sequência de acusações de abuso sexual contra vários homens do mundo do espetáculo.

A iniciativa juntou-se à ação desencadeada por mais de 300 conhecidas mulheres de Hollywood, entre elas as atrizes Meryl Streep e Eva Longoria, que lançaram um fundo de defesa legal destinado a ajudar as mulheres menos privilegiadas a defenderem-se de possíveis abusos sexuais no local de trabalho.

Este fundo de defesa legal, designado "Time's Up", já garantiu mais de 13 milhões de dólares (10,7 milhões de euros) em doações e procura ajudar estas mulheres com baixos salários a protegerem-se das consequências que podem surgir após a denúncia de abusos sexuais.

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...