Keira Knightley e Emma Thompson entre 190 atrizes contra o assédio

Carta aberta publicada no dia da cerimónia dos prémios Bafta

Atrizes como Keira Knightley, Emma Thompson e Naomie Harris figuram entre as 190 intérpretes britânicas que apelam à união contra o assédio e o abuso sexual, numa carta hoje divulgada na imprensa.

A carta foi divulgada pelo jornal dominical britânico The Observer, no mesmo dia em que decorrerá, em Londres, a cerimónia dos prémios de cinema Bafta, na qual as atrizes prometem vestir de negro como gesto de solidariedade para com o movimento contra os casos de assédio e abuso sexual "Time's Up".

Na carta, as atrizes recordam como nas últimas semanas as mulheres se organizaram "por todo o mundo, resistindo e denunciando" casos de assédio sexual.

Assinalaram ainda que, quando em outubro do ano passado a imprensa publicou diferentes casos de assédio e abuso na indústria cinematográfica, receberam "centenas de cartas de solidariedade" de mulheres de outros setores.

As atrizes que subscrevem a carta instam todas as suas outras colegas a juntar-se a este movimento e a "fazer com que 2018 seja o ano em que acabou a época do assédio e do abuso sexual".

Em janeiro, nos Estados Unidos, os vestidos e trajes negros encheram o tapete vermelho na 75.ª edição dos Globos de Ouro, num primeiro grande protesto público contra o assédio às mulheres em Hollywood, na sequência de acusações de abuso sexual contra vários homens do mundo do espetáculo.

A iniciativa juntou-se à ação desencadeada por mais de 300 conhecidas mulheres de Hollywood, entre elas as atrizes Meryl Streep e Eva Longoria, que lançaram um fundo de defesa legal destinado a ajudar as mulheres menos privilegiadas a defenderem-se de possíveis abusos sexuais no local de trabalho.

Este fundo de defesa legal, designado "Time's Up", já garantiu mais de 13 milhões de dólares (10,7 milhões de euros) em doações e procura ajudar estas mulheres com baixos salários a protegerem-se das consequências que podem surgir após a denúncia de abusos sexuais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro: "O outro e o mesmo"

No tempo em que se punha pimenta na língua dos meninos que diziam asneiras, estudar Gil Vicente era uma lufada de ar fresco: ultrapassados os obstáculos iniciais daquela língua com borrifos de castelhano, sabia bem poder ler em voz alta numa aula coisas como "caganeira" e soltar outras tantas inconveniências pela voz das personagens. Foi, aliás, com o mestre do teatro em Portugal que aprendi a vestir a pele do outro: ao interpretar numa peça da escola uma das suas alcoviteiras, eu - que detesto arranjinhos, leva-e-traz e coscuvilhice - tive de esquecer tudo isso para emprestar credibilidade à minha Lianor Vaz. E talvez um bom actor seja justamente o que consegue despir-se de si mesmo e transformar-se, se necessário, no seu avesso. Na época que me coube viver, tive, aliás, o privilégio de assistir ao desempenho de actores geniais que souberam sempre ser outros (e o outro) a cada nova personagem.

Premium

Rogério Casanova

A longa noite das facas curtas

No terceiro capítulo do romance Time Out of Joint, o protagonista decide ir comprar uma cerveja num quiosque de refrigerantes que avistou à distância. Quando se aproxima, o quiosque de refrigerantes torna-se transparente, decompõe-se em moléculas incolores e por fim desaparece; no seu lugar, fica apenas um pedaço de papel, com uma frase inscrita em letras maiúsculas "QUIOSQUE DE REFRIGERANTES". É o episódio paradigmático de toda a obra de Philip K. Dick, na qual a realidade é sempre provisória e à mercê de radicais desestabilizações, e um princípio criativo cuja versão anémica continua a ser adoptada por qualquer produtor, realizador ou argumentista que procura tornar o seu produto intrigante sem grande dispêndio de imaginação.

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?