Jim Carrey defende: 'desamiguem' o Facebook

Ator anunciou que vai vender as suas ações do Facebook

O ator norte-americano Jim Carrey defendeu hoje na rede social Twitter que os utilizadores da rede social Facebook deviam apagar as respetivas contas, em protesto contra o facto de veicular "notícias falsas (fake news)".

A estrela de filmes como "The Truman Show -- A Vida em Direto" e "Eternal Sunshine of the Spotless Mind -- O Despertar da Mente" escreveu no Twitter que vai vender as suas ações do Facebook e apagar a sua conta, porque a gigante tecnológica beneficiou da ingerência russa nas eleições presidenciais dos Estados Unidos de 2016, ao espalhar notícias falsas de origem russa, e ainda não está a fazer o suficiente para pôr fim à divulgação de "fake news".

Carrey, de 56 anos, encorajou outros investidores e utilizadores a fazerem o mesmo e terminou o seu 'tweet' com a palavra-chave "unfriendfacebook" ("desamiguem o facebook").

O Facebook ainda não reagiu ao 'tweet' do ator, mas o fundador e presidente (CEO) Mark Zuckerberg tem afirmado que travar o fluxo de desinformação está entre os principais objetivos da empresa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."