Ator de "Sabrina, a Bruxinha Adolescente" sobrevive de biscates

Nate Richert é um dos que partilharam a sua história para mostrar que atores norte-americanos precisam muitas vezes de ter dois e três empregos para sobreviver

Entre 1996 e 2003 foi uma das estrelas da série de televisão "Sabrina, a Bruxinha Adolescente", protagonizada por Melissa Joan Hart, mas aos 40 anos e sem trabalho no cinema e televisão há cerca de uma década, Nate Richert teve de arranjar outra forma de ganhar a vida.

"Sou ator há 32 anos (desde os 8). Tenho muita sorte de ter tido sucesso, quanto mais de ter tido trabalho no cinema e televisão durante seis anos (há 20 anos). Atualmente trabalho em manutenção, sou contínuo, carpinteiro e faço os biscates necessários para pagar as contas", contou Richert no Twitter.

Richert diz que continua a representar, faz improviso, e escreve canções para "manter a sanidade", porque é o que gosta de fazer, mas salienta como os atores muito raramente têm segurança no emprego, acesso a cuidados de saúde e uma reforma razoável. "A fama, para mim, só significava 'talvez mais trabalho no futuro'", explica.

O desabafo de Richert surge para mostrar que os atores também enfrentam dificuldades, na sequência da polémica sobre Geofrey Owens, ator conhecido por participar no The Cosby Show, que desapareceu da ribalta e reapareceu quando alguém partilhou no Twitter uma fotografia sua a trabalhar num supermercado. Muitos atores e outros salientaram como gozar com o trabalho honesto de Owens era injusto e indecente e surgiu a hashtag #actorswithdayjobs.

"Fiquei devastado durante um ou duas horas. Magoou-me mas foi durante pouco tempo. O que resultou disso, durante dias, foi o amor e apoio que me chegaram. Não apenas por mim, mas pelos trabalhadores. A ideia de que não faz mal trabalhar num supermercado", contou Owens à CNN.

No Dia do Trabalhador, que nos Estados Unidos se comemora na primeira segunda-feira de setembro, a fundação do Sindicato dos Atores aproveitou para celebrar Owens e todos os "atores trabalhadores que têm um, dois, três trabalhos por dia para pagar as contas, sustentar as famílias e ainda trabalham para nos entreter".

"É um ator do mais alto calibre; muito antes e depois de desempenhar o papel de Elvin no Cosby. Mal posso esperar para ver o que se segue", concluiu Nate Richert no Twitter.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.