Antigo médico da equipa de ginástica dos EUA reconhece abusos sexuais

Larry Nassar enfrenta agora uma pena de prisão que pode chegar aos 25 anos

Larry Nassar, antigo médico da equipa de ginástica dos Estados Unidos acusado de ter molestado três medalhadas olímpicas, reconheceu hoje ter abusado sexualmente de várias raparigas.

Nassar admitiu hoje ter molestado várias raparigas enquanto trabalhava para a equipa de ginástica dos Estados Unidos e para a Universidade do Michigan, e enfrenta agora uma pena de prisão que poderá ser de 25 anos.

O clínico foi formalmente acusado de molestar sete raparigas, a maioria das quais na clínica do 'campus' universitário do Michigan e na sua área de residência, em Lansing.

Em audiência, no tribunal de Ingham, Nassar reconheceu ter "penetrado manualmente" as vítimas e assumiu que a sua conduta não tinha qualquer propósito médico, nem foi consentida pelas raparigas.

O Ministério Público pediu uma pena mínima de prisão de 25 anos, mas o juiz pode determinar que esta chegue aos 40.

As raparigas testemunharam que Nassar as molestou com as mãos, por vezes na presença de um dos pais, quando estas procuraram ajuda para debelar lesões contraídas na ginástica.

"Ele convenceu as miúdas que aquele era um tratamento legítimo. Por que deveriam elas questioná-los? Como se questiona um Deus da ginástica?", argumentou a assistente do procurador-geral Angela Poviliatis.

Paralelamente, Nassar está a ser acusado de crimes similares em Eaton County, a localidade de um clube de ginástica de elite. Preso no Michigan, aguarda ainda a sentença de um outro caso, relativo a pornografia infantil.

Na terça-feira, a três vezes medalha de ouro olímpica Gabby Douglas revelou que sofreu "abusos". A denúncia foi feita quando se desculpava por um comentário que fez, na semana passada, sobre a postura da antiga colega de equipa Aly Raisman em relação a vítimas de abuso sexual: "Independentemente daquilo que vistas, isso não dá nunca o direito a ninguém de te assediar ou abusar de ti. Seria como dizer que, por causa do maiô que usamos, tivemos a culpa de Larry Nassar ter abusado de nós".

Gabby Douglas sucedeu assim a Aly Raisman e a McKayla Maroney, tornando-se na terceira da equipa feminina de ginástica "Fierce Five" a afirmar publicamente que foi vítima de Larry Nassar, que trabalhou quase duas décadas como médico da seleção de ginástica dos Estados Unidos até ser demitido em 2015.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.