Anel de noivado de Meghan Markle tem dois diamantes da coleção de Diana

Peça foi desenhada pelo príncipe Harry, com o auxílio dos joalheiros da rainha

Na primeira sessão de fotografias depois de ser anunciado o noivado com o príncipe Harry, Meghan Markle tinha no dedo, naturalmente, o anel que o príncipe lhe ofereceu e que, segundo fonte da casa real, foi desenhado pelo próprio Harry com o apoio dos joalheiros da rainha.

A peça é composta por três diamantes, um ao centro, com maiores dimensões, e outros dois mais pequenos, um de cada lado.

O diamante central é do Botswana, que segundo fonte da casa real é um lugar muito especial para o casal - ambos estiveram recentemente de férias no país - e onde Harry foi várias vezes desde criança. Já os outros dois diamantes, de menores dimensões, pertenciam à coleção pessoal da princesa Diana, a mãe de William e Harry que morreu há 20 anos, num acidente em Paris.

Tal como Kate Middleton, Meghan Marke não vai tornar-se princesa pelo casamento. Contudo, assim como a William, o irmão mais velho de Harry, foi atribuído o título de duque quando se casou, o mesmo deverá acontecer com Harry, pelo que Meghan ficará também com o título de duquesa.

Em comunicado, a Clarence House informou esta segunda-feira que "o Príncipe de Gales está encantado por anunciar o noivado do príncipe Harry com Meghan Markle. O casamento realizar-se-á na primavera de 2018. Mais detalhes serão anunciados oportunamente. Sua alteza real e Miss Markle ficaram noivos em Londres no início deste mês. O príncipe Harry informou sua majestade a rainha e outros membros próximos da família. O príncipe Harry também pediu e recebeu a bênção dos pais de Miss Markle. O casal irá viver em Nottingham Cottage, no Palácio de Kensington".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.