Mario Testino, o fotógrafo das celebridades, acusado de "explorar sexualmente manequins"

Manequins e funcionários denunciaram ao The New York Times Mario Testino, que fotografou até a realeza britânica, e o também fotógrafo Bruce Weber

Bárbara Cruz
Mario Testino © EPA/CLEMENS BILAN

Mario T estino, um dos fotógrafos favoritos das celebridades, está a ser acusado de assédio sexual e de "explorar sexualmente" os manequins que fotografa, tendo sido por isso suspenso de trabalhar com revistas de moda, nomeadamente com a Vogue. As mesmas acusações são feitas ao fotógrafo Bruce Weber.

A notícia foi avançada pelo The New York Times e Anna Wintour, a diretora do grupo Condé Nast, que publica revistas como a Vogue e a GQ, disse já que o grupo não deverá contratar Testino ou Weber num futuro próximo, no seguimento dos testemunhos que foram recolhidos pelos jornalistas. "Acredito firmemente no valor do arrependimento e do perdão, mas levo muito a sério as alegações e, na Condé Nast, decidimos suspender a nossa relação de trabalho com ambos os fotógrafos no futuro próximo", informou Wintour em comunicado, acrescentando que as denúncias contra "amigos pessoais" foram "difíceis de ouvir" e a deixaram destroçada.

Testino, que tirou as fotografias oficiais do noivado dos Duques de Cambridge, William e Kate, foi acusado por 13 assistentes do sexo masculino e também manequins de os ter sujeitado a avanços sexuais. Alguns garantem mesmo que o comportamento do fotógrafo remonta à década de 1990 e que estes avanços incluíam toques indesejados e masturbação.

Um modelo que trabalhou com Testino em campanhas da Gucci, Ryan Locke, acusa-o de ser um "predador sexual". Hugo Tillman, assistente de fotografia, diz que o assédio sexual era "constante" e que Testino chegou a masturbar-se na frente dele, enquanto noutra ocasião o prendeu a uma cama e foi preciso que outra pessoa viesse soltá-lo.

Os advogados do fotógrafo peruano de 63 anos já vieram negar todas as acusações.

Já sobre o norte-americano Bruce Weber, o jornal norte-americano escreve que pelo menos 15 manequins e ex-manequins denunciam que foram obrigados a nudez desnecessária e sujeitos a comportamentos sexuais coercivos. "Estou completamente chocado com as denúncias ultrajantes feitas contra mim, que nego em absoluto", disse Weber, de 71 anos, em comunicado.

O modelo Josh Ardolf garante que Weber lhe apalpou os genitais durante uma sessão fotográfica e um outro manequim, Bobby Roache, diz que o fotógrafo tentou meter-lhe a mão dentro das calças durante um casting em 2007.