George Michael morreu de causas naturais

A investigação à morte do cantor foi dada como concluída

DN
© REUTERS/Stefan Wermuth

Os exames finais realizados ao corpo de George Michael revelam que o cantor morreu de causas naturais, anunciou hoje o médico legista responsável pela autópsia. A investigação à morte do artista, que morreu no dia de Natal aos 53 anos, foi assim dada como terminada.

George Michael sofreu uma cardiomiopatia dilatada (que impede o bombeamento eficaz de sangue para o corpo) com miocardite (inflamação do miocárdio) e fígado gordo (acumulação de gordura nas células do fígado), informou Darren Salter, médico legista deo condado de Oxfordshire, no sudeste de Inglaterra.

"Como há uma causa natural confirmada para a morte, a investigação vai ser interrompida e não há necessidade de mais inquéritos", disse o mesmo responsável, adiantando que não haveria mais informações sobre o processo e que a família pede respeito pela privacidade.

No final de 2016, foi noticiado que os resultados da autópsia de George Michael haviam sido inconclusivos, pelo que seria necessário aguardar várias semanas para ter os resultados de novos testes que iriam ser realizados.

Aquando da morte do cantor, a polícia indicou que não existiam circunstâncias suspeitas.