Johnny Depp ataca membro da equipa de filmagem

Ator teria estado a beber durante as gravações

Johnny Depp está em Los Angeles a gravar cenas do seu próximo filme, "LAbyrinth", onde interpreta o papel principal, na pele de um detetive da polícia daquela cidade, mas acabou por se envolver numa discussão com um membro da equipa de filmagens. O ator tentou agredir o funcionário, mas como não conseguiu consumar a agressão desafiou-o a dar-lhe um soco em troca de 100 mil dólares. Depp teria estado a beber "o dia inteiro", disseram várias fontes ao site Page Six.

Segundo algumas testemunhas, o ator estava a ajudar na produção de uma cena no exterior em que dois amigos de Depp interpretavam um polícia e um sem abrigo. No entanto, o tempo em que a rua poderia estar fechada ao público tinha terminado, mas o ator queria que a cena continuasse e foi o membro da equipa responsável por essa área que informou o ator que já não era possível continuar a filmar.

O anúncio enfureceu Depp que se dirigiu ao trabalhador aos gritos e terá tentado agredi-lo. Como não foi bem sucedido, contaram as fontes citadas pelo Page Six, tentou continuar a discussão oferecendo 100 mil dólares ao funcionário para que este lhe desse um soco. Foi nesta altura que elementos da produção afastaram o ator do local.

Um representante de Johnny Depp não quis fazer comentários, mas o diretor do filme, Brad Furmam, insistiu que o suposto incidente foi exagerado.

"Johnny Depp é um profissional consagrado, um grande colaborador e um defensor dos outros artistas", disse, em comunicado, onde acrescentou que o ator "trata todas as pessoas com respeito. [Realizar] filmes podem ser stressante. Gostamos todos de histórias - mas aqui não há nenhuma", esclareceu Furmam.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.