Filho de Robert De Niro tem autismo

O ator revelou a condição do filho Elliot, depois de já ter confirmado que este tinha necessidades especiais

Robert De Niro emitiu um comunicado em que anunciou que o filho Elliot, de 18 anos, sofre de autismo. A revelação surge após a retirada do documentário Vaxxed: from Cover-Up to Catastrophe, que promove uma perspetiva anti-vacinação, do cartaz do Tribeca Film Festival.

"A Grace [Hightower, mulher de De Niro] e eu temos uma criança com autismo e acreditamos que é crítico que todas as questões relacionadas com o autismo e as suas causas sejam discutidas e examinadas abertamente", começou por escrever o ator americano, cofundador do festival de cinema.

O documentário Vaxxed: from Cover-Up to Catastrophe, realizado pelo gastrenterologista Andrew Wakefield - que afirma que o autismo é causado por algumas vacinas -, foi retirado da programação do festival por De Niro "não acreditar que o filme contribua para a discussão", segundo o mesmo. A falta de provas que liguem a vacinação ao autismo também foi tomada em conta.

Já em 2013, num programa americano, De Niro falou de forma emocionada acerca do filme Guia para um Final Feliz (com Jennifer Lawrence e Bradley Cooper), cujo realizador David O. Russel dedicou ao seu próprio filho, que sofre de um transtorno bipolar.

No ano seguinte, no Tribeca Film Festival, o protagonista de O Touro Enraivecido e a mulher foram anfitriões do documentário Sounding the Alarm, que abordava o tema do autismo.

Robert De Niro, de 72 anos, é casado com Grace Hightower desde 1997, com quem tem dois filhos: Elliot, de 18 anos, e Helen Grace, de 4. Tem ainda mais quatro filhos: Drena (40) e Raphael (35) e os gémeos Julian e Aron, de 6 anos.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.