Festas e álcool: Jimmy Fallon fora de controlo

Amigos do apresentador e responsáveis da NBC estão preocupados com os seus consumos excessivos

Desde que ocupou a cadeira de Jay Leno no The Tonight Show, Jimmy Fallon é o maior trunfo do canal NBC. Mas, ao que parece, é também uma das suas maiores preocupações. Depois de, na semana passada, ter sido levado para o hospital após uma queda aparatosa sob a influência de álcool, enquanto recebia um prémio de excelência da Universidade de Harvard, amigos e colegas de trabalho temem que o apresentador esteja tornar-se num consumidor excessivo.

"Passou de um homem discreto a um fala-barato", confessou uma fonte ao jornal The New York Post. Sabe-se ainda que os responsáveis da NBC, Bob Greenblatt e Lorne Michaels, já tiveram várias conversas sobre o comportamento alterado de Fallon. "A família NBC adora o Jimmy, mas o Bob está a monotorizar a situação. Se for preciso, ele vai intervir", revelou uma outra fonte ligada à estação.

A presença assídua em festas e as bebedeiras são, segundo amigos do anfitrião, a sua forma de lidar com a pressão de manter as audiências do talk show. "Está tanto dinheiro em jogo... a pressão é enorme. Ele até tem que fazer telefonemas a afiliados e patrocinadores. Ele não tem saída. É novo, ainda está a aprender", revelou uma das pessoas mais próximas de Fallon.

A queda da semana passada tornou-se ainda mais preocupante por ser a terceira que o humorista, de 41 anos, sofreu nos últimos quatro meses. Recorde-se que, ultimamente, ele tem usado uma tala na mão esquerda devido a uma lesão que sofreu em junho, depois de ter tropeçado num tapete e de ter ficado com o anel de casamento preso numa bancada, quase lhe arrancando um dos dedos. Foi necessária uma cirurgia de seis horas e 10 dias de internamento. Dois meses depois desse episódio, Jimmy foi ao dentista para arranjar o seu dente da frente, que ficou lascado quando tentou abrir um jarro de um gel cicatrizante para colocar no dedo.

Apesar de estas lesões não estarem oficialmente ligadas a problemas com álcool, já desde o ano passado que o atual líder dos late night shows dá sinais nesse sentido. Em abril de 2014, por exemplo, Fallon fez várias noitadas consecutivas, após a gravação do programa, e chegou a envolver-se numa luta de bar. Em janeiro deste ano, foi filmado sob o efeito de álcool, num bar gay, a cantar uma música de Katy Perry e a rastejar pelo chão.

"Ele está um caco. Tudo o que se tem ouvido sobre ele é verdade", garante também ao NY Post uma empregada de bar de Manhattan, que habitualmente serve o anfitrião nas suas saídas à noite.

Jimmy Fallon é casado com a produtora Nancy Juvonen, com quem tem duas filhas, ambas com menos de dois anos de idade.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.