Ex de Olivia Newton-John encontrado vivo, avança tablóide

Patrick McDermott foi dado como desaparecido em 2005 e posteriormente declarado morto pelas autoridades em 2008.

Olivia Newton-John, coprotagonista do icónico musical dos anos setenta Grease, viu pela última vez o seu ex-namorado no dia 30 de junho de 2005, quando este saiu para um passeio de pesca, na costa da Califórnia. Passados 11 anos, o detetive Philip Klein diz ter conseguido localizar Patrick McDermott. A notícia é avançada em exclusivo pelo tablóide australiano Woman's Day. O operador de câmara, agora com 59 anos, estará a viver em Sayulita, uma localidade próxima do destino turístico Puerto Vallarta, no México, concluiu a investigação de Klein.

Na altura do desaparecimento, vários foram os órgãos de comunicação social que avançaram que o americano de ascendência coreana tinha simulado a própria morte. Em causa estaria uma situação financeira deplorável, repleta de dívidas a vários credores. McDermott também estaria em processo legal com a ex-mulher por causa da pensão de alimentos do filho que têm em conjunto, que recebeu 100 mil dólares (89 500 euros) de seguro de vida do pai.

Philip Klein contou ainda à publicação australiana que McDermott está alegadamente a trabalhar com barcos de luxo, para uma importante família mexicana. O detetive já havia, alegadamente, localizado Patrick McDermott em 2009, tendo, inclusive, recebido um fax do advogado do ex de Newton-John, confirmando que o seu cliente estava vivo e pedindo que deixasse de tentar encontrar McDermott, acrescenta a revista espanhola Hola!.

Chloe Lattanzi, filha de Olivia Newton-John, já veio a público dizer que a mãe está "arrasada" com estes novos desenvolvimentos. "É muito difícil, perdemos uma pessoa", disse Lattanzi, de 30 anos.

Olivia Newton-John, que esteve sempre muito resguardada do olhar mediático aquando do desaparecimento do ex-namorado, contou na altura que a experiência foi destruidora. Entretanto, a cantora e atriz refez a sua vida, estando casada desde 2008 com o magnata John Easterling.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.