Enfermeira de Kate critica hospital em nota de suicídio

Jacintha Saldanha, a enfermeira que se suicidou depois de ter sido alvo de uma partida telefónica, critica duramente o hospital numa das três notas de suicido que deixou, escritas à mão, e encontradas pelo marido depois da sua morte.

De acordo com a publicação britânica The Guardian, a enfermeira do Hospital Rei Eduardo VII, onde esteve internada Kate Middleton, deixou três notas de suicídio. Na primeira constavam instruções para o seu funeral. Outra nota fazia referência à chamada que atendeu dos locutores de rádio australianos, enquanto que na última se referia à reação dos seus responsáveis diretos no hospital.

As notas foram encontradas pessoalmente pelo seu marido, Ben Barbosa, e estão a ser examinadas pela polícia britânica. O próprio criticou duramente a atuação do hospital, chegando mesmo a contratar um advogado privado com a intenção de "chegar à conclusão do que realmente aconteceu".

Também numa nota, no mesmo dia do suicídio, o hospital considerou Jacintha Saldanha como "uma excelente enfermeira, muito respeitada e popular entre os seus colegas de trabalho". O hospital acrescentou ainda que tinha prestado todo o seu "apoio" à enfermeira de 46 anos e mãe de dois filhos durante "os tempos difíceis" que se seguiram à chamada telefónica.

A enfermeira foi encontrada enforcada com um lenço num armário, no alojamento das enfermeiras, perto do hospital, na sexta-feira. Jacintha tinha ainda "escoriações no pulso", segundo a técnica forense Fiona Wilcox, citada pelo jornal espanhol El Mundo.

De acordo com o chefe de Scotland Yard, James Harman, a polícia investiga também dezenas de e-mails para determinar qualquer outra causa que possa ter influenciado a enfermeira a acabar com a sua própria vida. "O seu conteúdo pode ser de alta relevância para nos ajudar a compreender o sucedido", assegurou Harman. "Falámos com várias testemunhas, familiares, amigos e companheiros de trabalho para tentar perceber o que é que contribuiu para a sua trágica morte", acrescentou o inspetor, sem entrar em detalhes sobre o papel desempenhado pelo hospital.

"Neste momento não há circunstâncias suspeitas em relação à sua morte", disse ainda Harman, que revelou ainda que o corpo de Jacintha foi encontrado a 7 de dezembro por uma companheira e um segurança num dos apartamentos cedidos pelo hospital ao seu pessoal.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG