Calvin Harris sobre Taylor Swift: "O que fica é amor e respeito"

Calvin Harris desmentiu rumores de que teria terminado o romance com Taylor Swift por ter "inveja". "A única verdade é que uma relação chegou ao fim e o que fica é um enorme amor e respeito", garantiu

Quando, esta quarta-feira, a separação de Taylor Swift e Calvin Harris se tornou assunto público, fontes próximas de ambos asseguraram, de imediato, que "não houve drama". No entanto, não tardaram a surgir rumores de que o DJ escocês tinha "inveja" da cantora e se sentia "intimidado" pelo seu sucesso. Harris já quebrou o silêncio, utilizando o Twitter para desmentir essas alegações.

"A única verdade aqui é que uma relação chegou ao fim e o que fica é um enorme amor e respeito", escreveu. Pouco depois, dando provas de que a rutura foi, de facto, amigável, Swift reproduziu a mensagem do ex-namorado.

As palavras do músico de 32 anos vêm contradizer fontes da revista People, que garantiram haver algo mais por detrás do fim do romance de 15 meses. "Ele disse, em múltiplas ocasiões, que se sentia intimidado pela Taylor. É por isso que ele não comparecia a nenhum evento em que ela fosse distinguida, ou a qualquer entrega de prémios, a não ser que ele também estivesse nomeado", frisou uma das fontes.

O The Sun apresenta uma outra versão dos factos. Segundo amigos do ex-casal ouvidos pelo jornal britânico, terá sido a artista de 26 anos a terminar o relacionamento, uma vez que "ele não queria casar-se nem ter filhos". "Não era que eles não fossem felizes, mas quando ela começou a levantar o assunto do futuro, tornou-se claro que eles não queriam a mesma coisa". Uma outra fonte revelou: "A Taylor está de coração partido. Ela sempre se viu como uma jovem mãe. Não é que ela estivesse com pressa para assentar, mas também não queria estar a desperdiçar tempo".

Considerados dois dos maiores nomes da indústria musical, Calvin Harris e Taylor Swift tinham uma fortuna combinada de cerca de 130 milhões de euros. Assumiram publicamente o romance nos prémios Billboard, em março do ano passado.

.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG