Sinalizadas 26 vítimas de tráfico de seres humanos na zona de Beja

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) anunciou este domingo que sinalizou 26 vítimas de tráfico de seres humanos, na sequência das diligências efetuadas no âmbito da operação "Masline", desencadeada na zona de Beja.

Numa nota enviada à agência Lusa, o SEF explica que oito das 26 vítimas já foram instaladas em centros de acolhimento e proteção.

"Esta, que foi a maior operação de combate ao tráfico de seres humanos, levou à detenção de seis cidadãos estrangeiros indiciados pela prática dos crimes de tráfico de pessoas, auxílio à imigração ilegal e associação de auxílio à imigração ilegal, a quem foi aplicada a medida de coação de prisão preventiva", lê-se no documento.

De acordo com o SEF, no total, foram identificados 255 cidadãos estrangeiros em situação de exploração laboral.

"Atenta a vulnerabilidade apresentada por estes cidadãos estrangeiros, o SEF articulou, desde logo, com a equipa multidisciplinar especializada daquela região, o apoio necessário em termos de alojamento e alimentação aos cidadãos identificadas durante a operação", lê-se na nota.

O SEF acrescenta que, no quadro do Plano Nacional de Ação para a Prevenção e o Combate ao Tráfico de Seres Humanos, foram ainda estabelecidos os mecanismos de cooperação com as diferentes entidades municipais e sociais no sentido de providenciar aos cidadãos identificados a satisfação das suas necessidades básicas.

Seis pessoas, todas de nacionalidade romena e com idades entre os 22 e 47 anos, foram detidas, na terça-feira, em várias localidades do Baixo Alentejo, numa operação que identificou 255 estrangeiros em situação de exploração laboral.

Na sequência destas detenções e após primeiro interrogatório judicial, o Tribunal de Instrução Criminal (TIC) de Évora, determinou a prisão preventiva para os detidos, a medida de coação mais gravosa.

"A juiz de instrução decidiu aplicar a todos os arguidos a medida de coação de prisão preventiva, por entender verificarem-se, em concreto, os perigos de fuga, perturbação do decurso do inquérito e de continuação da atividade criminosa", referia o comunicado divulgado na sexta-feira pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Évora na sua página de Internet.

Segundo o DIAP de Évora, a operação, que contou com a participação de elementos do SEF, envolveu a realização de "diligências de busca e apreensão" em cumprimento de mandados de busca domiciliária e não domiciliária.

Durante as buscas, adianta, foram apreendidas "quantias em dinheiro, automóveis, munições e tabaco", além de terem sido "identificadas mais de duas centenas de cidadãos estrangeiros em situação de exploração laboral".

O DIAP de Évora realça que "as vítimas, oriundas de países do leste da Europa, eram colocadas em território nacional e sujeitas a exploração laboral em tarefas agrícolas".

O inquérito e as respetivas diligências de investigação vão prosseguir, sendo o Ministério Público coadjuvado pela Direção Central de Investigação do SEF.

Maior sensibilização para o tráfico

Entretanto, a Rede Regional do Centro de Apoio e Proteção às Vítimas de Tráfico registou 16 vítimas este ano. Segundo a coordenadora da equipa especializada, justificando o aumento com uma maior sensibilização da população, técnicos e órgãos policiais.

De um total de 34 sinalizações neste ano pela rede, resultaram 16 presumíveis vítimas de tráfico de seres humanos, oito homens e oito mulheres, de várias nacionalidades, registando-se cidadãos nacionais bem como oriundos de países tão distintos como Paraguai, Paquistão, Nigéria ou Moldávia, disse à agência Lusa a coordenadora da equipa multidisciplinar especializada (EME) da região, Vera Carnapete, referindo que há mais casos de exploração laboral do que sexual no Centro.

O número, explicou, impressiona se se comparar com o total das situações sinalizadas entre o final de 2012 (quando a equipa foi constituída) e dezembro de 2017: 71 processos, com 44 presumíveis vítimas de tráfico.

Segundo Vera Carnapete, "há situações em que existe uma sinalização, mas em que, depois, não se trata de tráfico", estando, porém, relacionadas com outros crimes e formas de exploração ou violência, como auxílio à imigração ilegal, exploração laboral sem tráfico, lenocínio ou violência doméstica.

A coordenadora da EME do Centro justifica o crescimento do número de sinalizações de presumíveis vítimas com um aumento da sensibilização da população, uma crescente formação de técnicos e dos órgãos policiais, bem como com um alargamento da própria rede, que já conta com mais de 50 instituições envolvidas na região.

"Quando damos uma ação de formação é quase certo que dentro de uma semana e meia temos uma sinalização", frisou Sónia Araújo, técnica da EME do Centro.

Segundo Sónia Araújo, a formação de técnicos dos municípios, assistentes sociais, médicos ou forças policiais torna-se fundamental para garantir mais sinalizações.

"Não são as próprias vítimas que nos ligam para o número de emergência - isso aconteceu-nos apenas duas vezes", aclarou Vera Carnapete.

Normalmente, são técnicos ou polícias que sinalizam os casos: "Por exemplo, um médico, numa urgência ou num centro de saúde, pode aperceber-se de uma situação em que uma mulher, acompanhada por alguém, não olha para o médico, não responde a nenhuma questão e o homem que a acompanha faz questão de estar sempre presente e responder por ela. Por si só, isto não quer dizer nada, mas há todo um conjunto de sinais que faz com que este profissional fique alerta", vincou Vera Carnapete.

Segundo a coordenadora da equipa, a maior parte das vítimas sinalizadas chegam dos distritos da Guarda, Viseu e Leiria, sendo expectável uma maior presença de tráfico de seres humanos no interior da região Centro, apesar de se registarem também situações no litoral.

"Castelo Branco e Guarda seriam distritos mais propensos e calcula-se que haja mais vítimas nessas zonas", nota, sublinhando que a rede tem neste momento o objetivo de garantir mais parceiros nas zonas onde tem menor cobertura e onde o tráfico, nomeadamente para exploração laboral, possa estar mais presente.

Quem queira denunciar uma situação de tráfico de seres humanos, pode ligar para a EME do Centro (918654104), com serviço de atendimento 24 horas por dia.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.