Sete mortos e 12 feridos graves na operação "Ano Novo"

Sete mortos e 12 feridos em estado grave é o balanço provisório da operação "Ano Novo", disse esta segunda-feira à agência Lusa fonte da Guarda Nacional Republicana (GNR).

O sétimo morto resultou de um despiste de um veículo ligeiro ocorrido hoje na autoestrada n.º 1 (A1), perto de Santa Maria da Feira, no distrito de Aveiro, que causou ainda um ferido ligeiro, precisou a mesma fonte.

A vítima mortal é um homem de 20 anos e o ferido é uma mulher de 19 anos, que conduzia a viatura, contou a fonte à agência Lusa.

Até ao final de domingo, o terceiro dia da Operação "Ano Novo", a GNR registara seis mortos e dez feridos graves, nas estradas portuguesas, de acordo com os dados provisórios divulgados hoje por esta força de segurança.

Nos três primeiros dias da operação "Ano Novo" -- sexta, sábado e domingo -, a GNR fiscalizou 19.697 condutores, dos quais 264 conduziam com excesso de álcool. Destes, 108 foram detidos por conduzirem com uma taxa de álcool no sangue igual ou superior a 1,2 gramas/litro.

Das 5.417 contraordenações rodoviárias detetadas, destacam-se 2.245 por excesso de velocidade, 285 por falta de inspeção periódica obrigatória, 240 por falta ou incorreta utilização do cinto de segurança e/ou sistema de retenção para crianças, 195 por anomalias nos sistemas de iluminação e sinalização, 153 por falta de seguro de responsabilidade civil obrigatório e 146 por uso indevido do telemóvel no exercício da condução.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.