Restrições no acesso às praias da Arrábida vão manter-se nos fins de semana de setembro

As restrições à circulação automóvel deviam terminar no dia 15 de setembro, mas a Câmara Municipal de Setúbal decidiu prolongar a medida até ao final do mês, mas só aos fins de semana, devido à "continuação do tempo quente".

A Câmara de Setúbal aprovou esta quarta-feira, em sessão pública, a prorrogação das restrições à circulação automóvel nos acessos às praias da Arrábida até ao final do mês de setembro, mas apenas aos fins de semana.

"As restrições à circulação automóvel deviam terminar no dia 15 de setembro, mas decidimos prorrogar essas restrições, apenas nos fins de semana, porque se mantêm as condições climatéricas favoráveis à utilização das praias", disse Maria das Dores Meira, após a aprovação da proposta pela maioria CDU e pelo PS, com voto contra do eleito do PSD.

De acordo com a autarca setubalense, "o ano passado o encerramento foi a 15 de setembro, mas como o tempo quente se manteve por mais algum tempo, nos dois fins de semana seguintes a circulação automóvel nos acessos às praias foi um caos".

"Este ano, à cautela, e uma vez que se prevê a continuação do tempo quente, decidimos prolongar estas restrições à circulação de automóveis na Arrábida. Durante a semana, como já não há tanta gente de férias, acreditamos que já não se justifica", acrescentou Maria das Dores Meira.

A "Estratégia Municipal para a Mobilidade Acessível, Segura e Sustentável para Todos nas Zonas Balneares de Setúbal", implementada pela primeira vez o ano passado, estabelece um conjunto de restrições à circulação automóvel nos acessos às praias da Arrábida, a par de um reforço significativo do transporte público durante a época balnear.

Veraneantes têm a possibilidade de deixar as viaturas em parques de estacionamento gratuitos

Trata-se de um conjunto de medidas para evitar os congestionamentos de trânsito provocados pelo estacionamento desordenado e permitir a circulação de viaturas de emergência em caso de acidente ou de incêndio na Serra da Arrábida, situações que poderiam colocar em risco a vida de milhares de veraneantes.

De acordo com as restrições que já estão em vigor pelo segundo ano consecutivo, durante a época balnear é proibida a circulação de viaturas particulares entre a praia da Figueirinha e o Creiro, sendo apenas permitida a passagem de transportes públicos, veículos de emergência e de residentes.

Por outro lado, os veraneantes têm a possibilidade de deixar as viaturas em parques de estacionamento gratuitos previamente definidos na cidade de Setúbal, seguindo depois para as praias em carreiras regulares dos autocarros dos TST - Transportes Sul do Tejo.

Antes da implementação do novo esquema de circulação rodoviária eram frequentes os bloqueios da estrada de acesso às praias da Arrábida, devido ao estacionamento desordenado, situação que estava identificada como um grande perigo potencial em caso de acidentes graves e que poderia mesmo inviabilizar a prestação de socorro.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.